26/09/2015 Gritos do Nada

Vidraça

Não serei mais vidraça pro seu grito de guerra Nem admitirei ser fraco ou omisso Aqui quem fala é que nunca espera É quem fez de verdade da luta compromisso. Não aceito seu preconceito descabido Sua neura e sua falta de argumento Me deixe então com meu livre arbítrio! Já que não me é possível […]

Leia mais…

Continue lendo
03/02/2014 Sonhos Viciados

Piazzas I

Hélio Oiticica beija minha mão esquerda enquanto eu tento esconder opiáceos dos guardas e malandros dessa rua antiga e sem dono. Me escondo nos paralelos invisíveis da tua língua morta sem tradutores e dicionários. […]

Leia mais…

Continue lendo
18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

Continue lendo

Todo final é feliz! (?)

31/01/2019 Gritos do Nada

Todo final é feliz
Porque o fim acaba com tudo

Eu sempre quis
Vencer esse mundo

Mas quem é feliz?
Sendo ignorado ou mudo

Quem é que quis?
Salvar-se no fim de tudo

Não há respostas
Corretas ou erradas

Não quero saber
Das coisas passadas

Me diz pra viver
Esperando por nada

Mas como saber
A hora da guinada

Perdi a esperança
Numa curva errada

Chorei como criança
A bebida derramada

Deseja a plebe mansa
Quem operada a jogada

Mas a revolta avança
Sobre a morte anunciada

Onde mora a beleza
Se aqui não nasce nada

Quem pediu por certeza
Perdeu-se pela estrada

Quem tem destreza
Mantem a chama apagada

Se diz da realeza
Os donos dessa barca furada

Ir ao post original

São Paulo habita em mim

25/01/2019 Sonhos Viciados

Eu sou todo saudade,
Entre a São João e avenida liberdade.

Eu sou todo um corpo violado,
Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas.

Eu sou todo pixo,
Pura violência nos muros da sua intimidade.

Eu sou todo abandono,
Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche.

Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do meu Vicente vizinho.

Eu sou todo insônia,
Cortando olhares suspeitos na rua Aurora as seis da tarde.

Eu sou todo narcótico, fila no banco, anestesiado pelo vai e vem faminto de suas ruidosas e infinitas janelas.

Sala de espera e enchente. Tudo isso no mesmo abraço.

São Paula habita em mim

Ir ao post original

O comício se acaba e só o mar é infinito

12/08/2018 Sonhos Viciados

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa.
O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas.

O comício se acaba e só o mar é infinito.
A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços.
Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga.

As mentiras postas pra dormir em doces boas noites.
As pessoas de bem perdem o fôlego.
O som ensurdece e só o sol castiga.

Mais um dia de perigos & nas pirâmides da minha alma eu só repito adoráveis mentiras recorfontantes.

Os ossos inflam, os olhos refletindo todos os seus medos na minha carne.

Os deuses mudos, o comício se acaba, só o sol castiga & só o mar é infinito.

Ir ao post original

Recordar é viver

25/07/2016 Sonhos Viciados

Frases de uma palavra só III – Eu sei

05/10/2013 Gritos do Nada
A realidade agora é o caminho até o apê pensando que vai comer de novo aquela merda daquela lasanha de microondas e beber até dormir...

Garoa na Praça – Gustavo e o começo do fim

31/05/2011 Colunas - Gritos do Nada

Terminou o mês de Maio!

Puta que pariu! Terminou!Complicado ter obrigaçãoFoi um tapa na caraPra mostrar que não sou bom! Falei de tudo, aproveiteiMas admito, sem vergonhaFalei quase sempre do que não sei! Não sou poeta, não sou cronistaSou só um bobo, exibicionista! Não sou poeta, não sou ninguém!Aliás, senão sou poeta, não sou ninguém! E sendo assim posso dizer:Poesia […]

Leia mais…

27/06/2011 Colunas - Gritos do Nada

Exercício de Escrita III

Tanto tempo fui tão poucoTão pouco eu por tanto tempoTempo louco, sem eu em mimPouco tempo disposto a ser assim Tem esse gosto de disgosto que me afrontaAssombra a sombra da vida que despontaDescer ladeiras, escorredeiras sem arteDe uma ladeira onde o sol bate e arde Desejo o minuto que passou e foi apressadoJogado segundo […]

Leia mais…

31/07/2012 Colunas - Zumbido Fugaz

Mudança inconcedida

Por essas estantes empoeiradas eu vejo minha infância sendo dilacerada sinto a calma da tarde impregnando amores passados de volta à minha alma que corta o meu orgulho fazendo reviver dentro de mim aquela alegria que há tanto não sentia. A fria madrugada cura esses desleixos trazendo novamente a antiga garota aquela mesma que sempre […]

Leia mais…

16/09/2011 Backstage

Mais uma resenha ou como conseguir mais grana

Que tempo estranho! E não é pelo frio descabido não! Então por que? Ora porque estou numa fase criativa! E não pense que isso tem a ver com qualidade, qualidade aqui neste espaço é com o Thiago, comigo o negócio é quantidade! E estou bem, nos últimos dias escrevi mais de um texto por dia, […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: