Poema liso (hoje eu fui dormir diferente)

Posted by & filed under Sonhos Viciados.

Nenhum poema liso vai curar nossa dor. Nenhuma rima secara os olhos. Discursos amenos não nos salvaram. Nem trincheira, nem rua, nem bandeira em protesto, nem voto aberto. A esperança é um véu negro em retiro espiritual na sepultura de nossas mães. Trocados não vencerão a fome. Nem bíblias colocariam fim em nosso ódio. Hoje… Read more »

Abrir puertas y ventanas

Posted by & filed under Sonhos Viciados.

Todos os lugares estão fechados, todos os cantos com portas, trincas e trancas. Toda rua que dobra, toda mente que erra. Um eterno feriado na alma, com ruas desertas, ninguém no comércio, portas fechadas.

Que desejo descontrolado é esse?

Posted by & filed under Sonhos Viciados.

Câmera acelerada, pombos fazem a guarda de janelas esquecidas. Avançando faróis vermelhos, gosto de ração geneticamente modificada. Sem dormir, como frangos em cativeiros, temos certezas e elas não são da mais animadoras.

Moço, sua camisa tem um furo

Posted by & filed under Sonhos Viciados.

Garoto assustado. Cadê a coragem pra se libertar? Abandonar o trabalho. Viver um grande amor. Garoto assustado. Copos e copos de bebidas não vão te salvar. Desista dos crediários, capas de revistas. Moço, sua camisa tem um furo. Comprar uma dose forte, a mesma quantidade do teu vício vergonhoso. Tem um furo na tua camisa…. Read more »

Minha surda, egoísta, vaidade.

Posted by & filed under Sonhos Viciados.

Não quero estraçalhar a sua carne, Mas eu quero ser a minha última consequência. Pode ser impossível ou devastador. Um punhado carregado de dor, doença ou demência. Só quero um suspiro alucinado, autêntico e arbitrário. Pode ser egoísta e vaidoso. Pode ser um fim, doloroso ou dantesco. Um fim. Meus suspiros em caixas, homens de… Read more »