Dá uma licença aqui…

10/04/2012 Backstage

Hoje, dia 10 de abril, é aniversário da minha irmã. Sei que muitos pensam que este espaço não deveria estar aberto a esse tipo de sentimentalismo… mentira, dúvida que alguém pense assim!

Mas não vim aqui rasgar seca para ela, vim aqui na verdade postar um texto que daqui a pouco vai fazer 5 anos que escrevi: Ode aos 25.
É um texto sobre como foi pra mim fazer 25 anos… acho ele super gracinha (e mesmo assim não sou viado) e por isso, em homenagem a ela, eu o resgato:

Acordei hoje pensando como me sentiria, e de fato sinto-me mais velho, o que pode ter sido causado pela sempre persistente dor nas costas que me acompanha desde que troquei de travesseiro (ou será que me acompanha desde que me percebi envelhecendo??)

25 anos de idade. É, esse é um marco, como quando fazemos 13 anos, ou 18 anos, é uma idade emblemática, com ritos de passagem, 12 pra 13, começo da adolescencia, 17 pra 18, enfim a idade onde nos tornamos responsáveis por nossos atos, com direito a arrumar trampo, tirar o título de eleitor e o famigerado tiro de guerra.[quote_right]enfim começo a me dar conta que ser adulto é exatamente ser do jeito que você é[/quote_right]

Mas sabe, eu projetava um monte de coisas pra quando tivesse 25 anos, e fazia isso porque me parecia algo tão longinquo, me parecia que teria tempo pra tudo andes de chegar aos 25, e ele chegou e num sei se fiz tudo que deveria…

Tinha certeza que enfim me sentiria adulto, com a voz grossa, a barba por fazer e uma certa seriedade e severidade no falar e no agir, mas me sinto da mesma maneira que antes, enfim começo a me dar conta que ser adulto é exatamente ser do jeito que você é, e não como acha que deveria ser, que é o que acontece quando estamos na adolescência.

Estou bem mais seguro das minhas qualidades, mas tenho mais medo do por vir, e tenho mais medo porque a cada dia que passa as coisas dependem mais só de mim, estou me tornando o grande protagonista da minha vida e da vida dos meus pais, e isso apesar de ser uma vitória é também assustador.

1/4 de século ao mesmo tempo em que parece algo tão enorme olhando pra frente, parece tão pouco quando olho pra trás. Quando olho pra frente vejo que daqui 25 anos terei 50 anos, é muita coisa, me parece bem mais coisa que quando olho pra trás, acho que é porque não sou tão diferente do muleque que era, e sei que serei muito diferente do que sou quando estiver com 50.

[quote_left] estou me tornando o grande protagonista da minha vida e da vida dos meus pais, e isso apesar de ser uma vitória é também assustador.[/quote_left]Eu lí certa vez que até os 25 anos o ser humano evolui, forma as bases pra deteriorização dos anos seguintes, estou agora no topo da minha evolução, e mesmo assim sinto-me mais lento e mais cansado do que antes, e sei que vou ser mais esperto depois. Ter 25 anos é como estar no meio de um caminho, que não se pode voltar atrás, mas que nos assusta continuar. Uma saudade de ser menino, e uma vontade de ser homem…

Muitas coisas acontecem, engordamos, ficamos carecas, não temos mais tanto fôlego… Mas sabe, se engordo, engordo porque hoje em dia sei comer muito melhor que antes, se não tenho tanto fôlego, também aprendi a hora de correr e a hora de ficar parada, e se o tempo me leva cabelos da cabeça, também deixa muita coisa importante dentro dela.

Portanto no final das contas chegar aos 25 anos é bem mais feliz do que triste, e o único jeito de não envelhecer é bem pior do que envelhecer, pois só morrendo a gente para de ficar velho… e morrer sim é uma merda!

Parabéns!!

E pra você que curtiu, dá uma olhada nesse blog aqui: http://gritosdonada.wordpress.com

Tem bobagens minhas de muuuuuuuito tempo atrás!

 

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

30/09/2016 Backstage

Se eu perdesse todos os meus medos (Versão áudio)

A mecânica é seguinte alguém escolhe um texto e dá para outro colunista ler. O resultado é esse ai que você confere acima. O texto acima é esse Se eu perdesse todos os meus medos, da coluna Sonhos viciados que a nossa amável Érica doou a voz. […]

Leia mais…

12/05/2014 Backstage
Próximo, e tenebroso, objetivo: escrever contos e depois um romance!

Os próximos passos…

31/07/2013 Backstage
Pras Cucuias mudou pra manter o espirito livre de sempre!

Novo layout!

23/07/2013 Backstage

9 – Não sou um cara supersticioso

9 meses demorei para nascer. 9 horas é o tempo que fico no trabalho. Moro numa casa que se somarmos todos os números o resultado é 9. Sai de casa as 9 da manhã e todas as luzes da cidade ainda estão acesas. [Minha cidade está sempre negra ou alguma variação disso.] […]

Leia mais…

22/07/2013 Backstage

Novidades em 3, 2, 1…

[…]

Leia mais…

10/01/2013 Backstage

Os 10 melhores de 2012

Mais um ano se foi e 2012 foi muito importante para nós dos prascucuias. Nunca escrevemos tanto e para celebrar a produção desse ano que passou escolhemos os 10 melhores na opinião de nós mesmos. […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: