37
30 09

Ele sorri mentindo com os dentes
Dentes alvos para uma alma negra

A chupa querendo sugar o seu ventre
A engana no gozo e no riso com soberba

Ela, pobre dela, se rende a cada noite

Percebe, mas não foge, não pode mais

Ele desvia o olhar de suas lágrimas
Enquanto mira no celular outra mensagem

Esquece dos mil códigos escondidos nas nossas unhas
Se derrete na música anos 90 que desliza no rádio

Ele, um pobre, refém do seu quadril,
prisioneiro de quase mentiras que insiste em acreditar
Assombrado pelos seus vultos, na sua mente, sempre nus.

Meliante, preso em flagrante, ela não sabe, podre dela.

Alma negra que não segura as lágrimas,
ele se limita a fuçar o celular, assombrado pelos seus fantasmas

Seus sulcos, vincos, vulva, sal, prazer,
é um condenado e ela não sabe.
Suas sombras deslizam na pequena tela,

Uma projeção pornográfica da sua mente.

Foi destinado a amar totalmente em uma noite
enquanto está ao lado dela e da sua nudez.

Esqueceu de compromisso do senso comum
precisa de corpos que o alimentem do néctar.

Ele é um condenado a buscar sem encontrar
de estar cheio de si e vazio de qualquer um.

De conversar sobre Shakespeare e nada saber
descrever sentimentos e nada conter em si.

Ela veste o vestido e segue pensando nos momentos
imaginando que ainda mudará a opinião dele
que a dispensa sempre que recebe algo no celular.

A esperança ainda é a última que morre?
Para ela é, mas a chance é inexistente.

Não se salva um condenado pelo destino de luxúria.

Leave a Reply

  • (will not be published)

Últimas Postagens

Nus e Perdidos

Vou sair essa noite
Pela rua e de mim mesmo
Vou ser outro essa noite
Desconhecido sair a esmo

Desfaço os nós dos seus dedos
Chupo seus lábios em flor
Me dobro e te domino o desejo
Façamos um de nós sentir dor

Continue lendo…

56

Coletivo Dois Quatro – Meu Pecado Solar

Estou aqui para você
Como o girassol para o sol
Mesmo sofrendo queimando
Minha face sempre estará voltada para ti!

Seu calor me aquece, mas queima
Como minha pele quando te toco
Me derreto nos seus braços…
Mas é você que escorre pelos meus dedos

Continue lendo…

84

Coletivo Dois Três – O ônibus e os caminhos sem volta

Estico o braço e o ônibus para.
Embarco no opaco viver do ônibus vazio,

Percebo que deveria ter te olhado mais
Pois não guardei como queria

Todos os seus tracos, palavras e birras
Me despedi como quem ia ver no outro dia

Continue lendo…

80
Todos meus poetas favoritos estão presentes / Alguns vivos, outros mortos, uma parcela perdidos.

Coletivo Dois Dois – Meu Velório

71
Não se salva um condenado pelo destino de luxúria.

Coletivo Dois Um – Cafajeste com Sorriso no Rosto

132

E brindaremos mais uma vez aos dias dourados. O verão dos nossos corações.

Queria ter uma ode aos 20 anos… mas eles por si só são uma ode! Uma ode a vida, aos erros, as incertezas e a brusca, e as vezes imensurável, alegria de simplesmente viver…

Continue lendo…

96

Escreva também
no prascucuias

Ultrapasse a barreira do conformismo e mande seu texto para gente.

Envie seu texto

Assine nossa newsletter

[contact-form-7 id="3498" title="Newsletter"]