Coletivo Um Cinco – Fiat Lux

17/12/2011 Coletivo

A criação começa a dominar o criador
e há poucas coisas que podem ser feitas.
O belo rosto antes delicado
agora tem traços da insanidade
da criatura que por lá habita.

Arrancar essa fantasia difícil o é
os moldes foram o bastante
para marcar pra sempre essa alma.

Tinha um jeito tão meigo de falar
que domava qualquer bruto animal.
Porém a criatura apoderada dessa personalidade
fazia obedecer mas de maneira hostil
que em nada fazia alguém querer continuar
olhando para aquele rosto amargo que reprimia
todas as belas ideias que por sobre aquela mente
já existiu e vem sendo liquidada

Fez-se a luz no emaranhado de suas inquietações.
E em cada noite perdida entre seus experimentos
mais se afundava no novo coração que alimentava.

Mais desumano, mais amoral.

Isso pode ser qualquer história de Issac Asimov
ou filme dos irmãos Wachowski.
Mas é só a cegueira que atinge o senhor de suas crias.

Se perdendo entre seus rabiscos e folhas de anotações.
Cada nova elipse desvendada um arco de subjeição.
Cada fórmula descoberta mais algemas e polidez.

Uma força invisível guia os passos do criador,
a cria toma as rédeas e anula seu pai todo poderoso.

Ele não vê e não é inocência.
É o mesmo desejo que toma o assassino quando ele vence o gatilho.
É o pó do viciado.
A mesma necessidade silenciosa que temos do ar.

Nem mais código binário,
nem mais sabe fazer escolhas simples, de sim e não .
Sua única opção é seguir os caminhos de suas verdades inquestionáveis.

Agora só ódio, o sentimento de superioridade atinge o córtex central,
anima como anfetamina.

Já não tem mais o senso crítico e ele sabe.
Sabe que não tem mais como voltar.

Meio monstro,
ficou pedaços de um bom homem que já não consegue lutar.

Essa história ia ser assustadora se não fosse real.
“Homens máquinas, que pensam como máquinas.”

Assim se fez o mundo.
Alguém disse que estamos condenados,
eternos servos das nossas próprias invenções.

Fiat lux

Um cara entre vielas cheias de gente e ônibus lotado. Que se perde em alguns bares e se põe a ver a velocidade dessa gente. E rir da estupidez dessa lógica.

Comentários

One thought on “Coletivo Um Cinco – Fiat Lux

  1. Ciúmes? É posso dizer que sim! rs

    Sorte de vocês que o texto ficou ótimo!
    A ideia é genial, a criatura moldada pelo criador, marca ou molda ao criador! Doidera!

    Ai arremata com “Eternos servos de nossas próprias invenções” !!!

    Quando isso tudo passar, tenham certeza, que vou dizer que, pelo menos essa frase, fui que fiz! rsrs
    Só de sacanagem! rs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

09/06/2014 Coletivo

Nus e Perdidos

Vou sair essa noite Pela rua e de mim mesmo Vou ser outro essa noite Desconhecido sair a esmo Desfaço os nós dos seus dedos Chupo seus lábios em flor Me dobro e te domino o desejo Façamos um de nós sentir dor […]

Leia mais…

05/02/2014 Coletivo

Coletivo Dois Quatro – Meu Pecado Solar

Estou aqui para você Como o girassol para o sol Mesmo sofrendo queimando Minha face sempre estará voltada para ti! Seu calor me aquece, mas queima Como minha pele quando te toco Me derreto nos seus braços… Mas é você que escorre pelos meus dedos […]

Leia mais…

16/01/2014 Coletivo

Coletivo Dois Três – O ônibus e os caminhos sem volta

Estico o braço e o ônibus para. Embarco no opaco viver do ônibus vazio, Percebo que deveria ter te olhado mais Pois não guardei como queria Todos os seus tracos, palavras e birras Me despedi como quem ia ver no outro dia […]

Leia mais…

06/01/2014 Coletivo
Todos meus poetas favoritos estão presentes / Alguns vivos, outros mortos, uma parcela perdidos.

Coletivo Dois Dois – Meu Velório

30/09/2013 Coletivo
Não se salva um condenado pelo destino de luxúria.

Coletivo Dois Um – Cafajeste com Sorriso no Rosto

15/04/2013 Coletivo

E brindaremos mais uma vez aos dias dourados. O verão dos nossos corações.

Queria ter uma ode aos 20 anos… mas eles por si só são uma ode! Uma ode a vida, aos erros, as incertezas e a brusca, e as vezes imensurável, alegria de simplesmente viver… […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: