Coletivo Um Três – Entre nervos e sangue

06/12/2011 Coletivo

O que se esconde entre nervos e ossos
Perdido entre sangue e asco
Dedos que tocam os nossos corpos?
Ou que desfazem os parcos laços?

A áspera tez dos meus dedos
A suada palma que puxou teus cabelos.
Se tornou o elo dos teus experimentos

Cuspi meu sangue em seu rosto
E lambi também suas feridas
Quero sentir mesmo é o gostos
Das suas chagas abertas, fedidas…

A beira da morte,
se equilibrando no precipício.
Olha amor, as fissuras.
O teco de carne com sangue aparente.

Olha o líquido viçoso que escorre
Que nos mancha a pela e os lábios
E nos deixa junto do gosto do sangue
A vontade de ter mais e mais e mais

Olha amor. Puxa só mais um pouquinho.
Secreção. A dor é nossa penitência.
Foi esse o destino que escolhemos.

Perda-se de mim ou dos meus gritos
Abosorva-se no som da pela separando-se
Não escutes os gritos de horror
Apenas sorria, amor, apenas sorria

Admire, contemple.
Restou seus estudos no ármario
Nossos erros viciados.

Sinto cheiro de carne queimada.
Seus fetiches e manias,
minha arrogância e teimosia.

Olha amor, vou caminhar entre as pás que construímos
de um mundo que criamos no silêncio de uma máscara.

Amor.

Se já não mais há volta
e se equilibrar é o que nos resta:
Abre só mais um poquinho.
Vai ter carne pra jantar.

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

09/06/2014 Coletivo

Nus e Perdidos

Vou sair essa noite Pela rua e de mim mesmo Vou ser outro essa noite Desconhecido sair a esmo Desfaço os nós dos seus dedos Chupo seus lábios em flor Me dobro e te domino o desejo Façamos um de nós sentir dor […]

Leia mais…

05/02/2014 Coletivo

Coletivo Dois Quatro – Meu Pecado Solar

Estou aqui para você Como o girassol para o sol Mesmo sofrendo queimando Minha face sempre estará voltada para ti! Seu calor me aquece, mas queima Como minha pele quando te toco Me derreto nos seus braços… Mas é você que escorre pelos meus dedos […]

Leia mais…

16/01/2014 Coletivo

Coletivo Dois Três – O ônibus e os caminhos sem volta

Estico o braço e o ônibus para. Embarco no opaco viver do ônibus vazio, Percebo que deveria ter te olhado mais Pois não guardei como queria Todos os seus tracos, palavras e birras Me despedi como quem ia ver no outro dia […]

Leia mais…

06/01/2014 Coletivo
Todos meus poetas favoritos estão presentes / Alguns vivos, outros mortos, uma parcela perdidos.

Coletivo Dois Dois – Meu Velório

30/09/2013 Coletivo
Não se salva um condenado pelo destino de luxúria.

Coletivo Dois Um – Cafajeste com Sorriso no Rosto

15/04/2013 Coletivo

E brindaremos mais uma vez aos dias dourados. O verão dos nossos corações.

Queria ter uma ode aos 20 anos… mas eles por si só são uma ode! Uma ode a vida, aos erros, as incertezas e a brusca, e as vezes imensurável, alegria de simplesmente viver… […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: