La guerre et la Paix

02/10/2012 Coletivo

Cheios de ódio e malácia os malabares no farol
Os carros zunem pelas ruas escuras…
Ao longe, num rádio, um grito rouco de gol.

Mas naquela noite ela me beijou de outro jeito,
Senti suas coxas pela última vez,
meu jeito estranho de dizer adeus.

O vento chiava nas janelas, empurrava as folhas no chão
Dobrava as cabeças dos corajosos que seguem a pé
Bagunçavam o lixo que uma velhinha varria em vão…

Os sorrisos ainda reverberam no meu crânio,
E ela sabia sorrir com inocência,
enquanto me fazia tremer de desejo e perdição.

Mesmo assim garoava nas ruas escuras de uma São Paulo qualquer
E via correr pras marquises os desavisados sem proteção
As roupas pesadas, o andar doloroso, um leve cheiro de mulher

No meio do caos um cheiro me fez lembrar
Do modo como usava meia-calças,
de como mostrava um pedaço íntimo do seio.

Mais um ônibus passou direto…
Estou sem coragem de esticar a mão
Todos se amontoam pra aquecer, ninguém troca uma palavra.

Ela dizia coisas sobre Tolstoi, ironia.
Uma sonata a Kreutzer.
Serei para sempre seu devasso e você minha libertina.

O empurrão pra entrar logo no coletivo me tira do devaneio
Ônibus lotado, o piso molhado e sujo transmite tristeza
A tristeza do seu nome, agora oco, no meu celular…

O motorista conta os trocados, sufoca os segundos,
o olhar do garoto lhe incomoda e aproveita para lançar-lhe a cara de coitado,
o motorista abre janela, dá as moedas, ele só quer sair dali.

Tentava voltar pra ela e suas coxas, sorrisos e historinhas
Só lembrava das últimas conversas chatas e sem sentido…

Ela ainda sonhava essas coisas de menina.
Iria a Europa, quem sabe desse sorte e acabasse rica.
Eu só adorava fuder com o seu rabo olhando pro espelho

Hoje ela não está aqui, mas é como estivesse
Ontem ela estava lá… mas era como senão estivesse
Transei com um fantasma, meu jeito estranho de sentir prazer.

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

09/06/2014 Coletivo

Nus e Perdidos

Vou sair essa noite Pela rua e de mim mesmo Vou ser outro essa noite Desconhecido sair a esmo Desfaço os nós dos seus dedos Chupo seus lábios em flor Me dobro e te domino o desejo Façamos um de nós sentir dor […]

Leia mais…

05/02/2014 Coletivo

Coletivo Dois Quatro – Meu Pecado Solar

Estou aqui para você Como o girassol para o sol Mesmo sofrendo queimando Minha face sempre estará voltada para ti! Seu calor me aquece, mas queima Como minha pele quando te toco Me derreto nos seus braços… Mas é você que escorre pelos meus dedos […]

Leia mais…

16/01/2014 Coletivo

Coletivo Dois Três – O ônibus e os caminhos sem volta

Estico o braço e o ônibus para. Embarco no opaco viver do ônibus vazio, Percebo que deveria ter te olhado mais Pois não guardei como queria Todos os seus tracos, palavras e birras Me despedi como quem ia ver no outro dia […]

Leia mais…

06/01/2014 Coletivo
Todos meus poetas favoritos estão presentes / Alguns vivos, outros mortos, uma parcela perdidos.

Coletivo Dois Dois – Meu Velório

30/09/2013 Coletivo
Não se salva um condenado pelo destino de luxúria.

Coletivo Dois Um – Cafajeste com Sorriso no Rosto

15/04/2013 Coletivo

E brindaremos mais uma vez aos dias dourados. O verão dos nossos corações.

Queria ter uma ode aos 20 anos… mas eles por si só são uma ode! Uma ode a vida, aos erros, as incertezas e a brusca, e as vezes imensurável, alegria de simplesmente viver… […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: