Dia do caçador

11/05/2012 Colunas - Zumbido Fugaz

Ando sem precisão pela noite silenciosa e não tenho medo de nada, estou tão auto-confiante que pularia de um penhasco de forma mais graciosa impossível. Passei por tantos reinos e os princípes para os quais ofereci minhas ideias quanto as taticas de guerra, ofereceram seus corações aos quais literalmente dilacerei com toda minha indiferença.  É lua vermelha e parece que o perigo ronda o meu ser, porém tenho toda a habilidade de lidar com qualquer ser, seja como for eu tenho o poder.

E eis que ele me agarra, tenho que lutar e será a morte de um de nós dois, mas olho atentamente suas marcas e realmente nunca vi algo parecido, ele tem espadas no coração e mesmo assim é corajoso para enfrentar-me. De onde ele veio? Oh céus, logo o domino, mas não sei ousar com tanta delicadeza, arrancando bravamente as espadas de seu coração, percebo que ele tem menos chances de continuar do que se as espadas permanecessem. Agora é seu fim. Mas e essa ternura com a qual me olha?

Eu não consigo ser carinhosa, mesmo parecendo que ele quer a minha alma, vou além, jogo ele no chão e percebo o quanto seus olhos estão devorando os meus sentidos, nem utilizei nenhum feitiço ainda e ele parece estar em transe, aqui de cima, posso lhe oferecer um pouco de sensibilidade, mas ele parece me desafiar, mesmo sangrando, eu passo minhas mãos pelo seu suave rosto e lanço tapas e tapas e nesse frenesi a gente suspira junto e ele não se cansa e tenta, parece querer uma bonequinha para si, mas o que ele tem que me deixa não acabar logo com ele?

Ele tem uma alma que chamou a minha que fez meu coração queimar junto com o meu corpo e não pensar em nada além de estar ali e continuar naquela loucura desmedida e agora em meus braços ele soluça amores perdidos e sem sentido eu o encorajo para que ele compreenda que apesar do sofrimento físico que é algo necessário, é como eu sei demonstrar esse novo sentimento que sem querer rotulei de amor. E com a minha força vou proteger esse ser, mas ele irá servir apenas a mim agora, mesmo eu sabendo que a qualquer instante ele estará pronto para detonar me detonar, sei que sente algo poderoso em si e prevalecerá ao meu lado… Ele achou que eu era a caça mais fácil da noite e ele se tornou a caça.

Um certo alguém simples que busca conhecimento e auto-conhecimento através dos escritos. Que se encanta por olhares e perde a noção do tempo tentando desvendá-los...

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: