A turba, a morte e a razão acéfala

06/05/2014 Gritos do Nada

Foi ela!! Foi ela? Não foi!?! Não importa
A turba não pensa, a turba não negocia
A turba grita: PEGA, MATA, ESFOLA!
Cheia de razão com gente sem razão.

Se 2 cabeças pensam melhor que 1
Como 10 cabeças pensam pior que 1?
A turba não liga, arrasta a mulher
Culpada ou não, vão vingar sua revolta!

Revolta que não vira voto
Revolta que se faz contra o igual
Foi legado ao povo mais um direito
O direito besta de se auto-destruir

Mas e se o crime nem ocorreu?
Como pode ela ser culpada?
Mas a turba deixou de ser marginalizada
Na fala da jornalista que está sempre certa

Não você não entendeu… não importa a culpa!
Justiçar é injusto, não é sinônimo de justiça
A turba julga do mesmo jeito que mata
Aos trancos, barrancos, porrada e acefalia

Uma mãe morreu e só isto bastaria
Que história o pai vai contar aos filhos?
Quem vai enxugar as lágrimas da família?
Quem vamos linchar agora?

E seus restos descansam numa gaveta fedida
Num cemitério de pobres, num bairro de pobres
Mas na minha cabeça ela continua sendo arrastada
Desesperada e inocente pelas ruas de terra

Pobre do povo que acha fazer justiça com as mãos
Pobre justiça que se desfaz na mão do povo
Maldita miopia que não percebe que crime é crime
Venha do lado ou com a intenção que vier

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: