Cavalheiro Sozinho

17/03/2012 Gritos do Nada

Sentiu seu cavalo cansado
Não havia mais feno ou água
Havia deixado para trás aliados e passado
Vencido pelo cansaço e pelas mágoas

Apeou-se com dificuldade do cavalo
Subiu à um monte e seu olho brilhou
Avistou, enfim, algo para ajudá-lo
Ao longe viu um castelo, e pra lá caminhou

Aquela imagem era de salvação e desespero
Pois o lembrava do que queria esquecer
No fundo da memória a lembrança do desterro
Seu castelo em chamas e sua princesa a morrer

Bateu sem vontade às portas do castelo
Que se abriram sem nada questionar
No meio do pátio um velho de braços abertos
Seu cavalo foi a fonte, beber, à ele sobrou caminhar

O velho homem não perguntava e nem respondia
Os braços abertos como que a convidar
Aproximou-se e, relutante, foi o abraçar
Apertou-se ao velho com a vontade de quem sofria

Afastou-se e o que viu reavivou-lhe a mágoa
Correu ao cavalo para seguir seu caminho
Ficou louco pelas perdas, pois abraçou-se a uma estátua
E percebeu, sobre seu cavalo, que era para sempre sozinho

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: