Destestar amar

30/10/2013 Gritos do Nada

Quis sentir ódio dos dias cinzentos quando sai da cama
Menti meus sorrisos e bom dias, pra não estragar mais o dia

Passei pelos fantasmas que correm pelas ruas pro trabalho
E imaginei se invejam a mendiga dançando e cantando na calçada

Me vi nas suas chuvas nojentas que infestam a cidade de sujeira e detritos
E nas marginais paradas, com rios mais mortos que os motoboys pelo chão

No centro, no chão, no ar dá pra sentir o cheiro forte de uma cidade que é nua
E o pretume das fumaças dos carros ou dos pés descalços de quem vive na rua

Acordo todos os dias querendo detestar mais essa loucura, essa cidade
Praguejo contra o tempo mutante, o trânsito constante e a cinza feiura

Maldigo o dia que me enviei nessa fossa gigante, embrião aberto de sonhos
Que pari todo dia um sonho novo e uma nova decepção… todo dia… todo dia…

Todo dia os mesmos caminhos e todos lotados, todos os dias a mesma inconstância
E só nessa inconstância a cidade se acha constante, tudo muda sempre, isso não muda

Então tenho devaneios com as praias, parques, chácaras e outras escapadas
Pra então acordar entre os carros achando lindo o sol se refletindo no asfalto

Assistindo o corre corre das pessoas cruzando a avenida fora da faixa
E vendo as pernas das moças que corriam sorridentes e assustadas… sorrio.

[Outro dia um cachorro cruzou assustado a Av. do Estado
E um senhor parou sua Kombi de lado pra impedir o trânsito

Desceu pegou o cão sujo no colo, sem ligar se sujaria sua camisa
Fez carinho nele e calmamente o levou à calçada… nenhuma buzina se ouviu.]

Amaria detestar a cidade que parece fazer cara feia para rejeitar a todos
Como o crack a cidade afugenta com a mesma força que atrai e vicia…

Não é amor pra todos nem pra ninguém e talvez nem mesmo seja amor,
Mas tem dias que São Paulo me sorri um bom dia e fica impossível lhe odiar.

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: