Talvez não seja domingo o melhor dia de conjecturar
Ou talvez nunca seja

As mãos perdidas entre o fazer e o pensar
São pesadas ferramentas

A música lá fora me irrita e indigna
Seja o que for o que ouvem não é pra mim

Domingo deito e levanto e nada acorda
Tudo é a espera do dia que vem (ou que bem)

As letras se perdem na vontade
De dizer todas as coisas que não entendo

Domingo é o dia de perguntar
O que porra mesmo planejei pra mim?
E lamentar.(?)

Já não sei em que domingo adormeci
Eu e meus sonhos de grandeza

Hoje me acomodo num livro
Escrito sob um mundo que não é meu

O único pensamento que incomoda é:
Qual história sobrou pra eu contar?

Leave a Reply

  • (will not be published)

Últimas Postagens

O Paradoxo do Aniversário

É seu dia, mas também de milhares de outras pessoas aleatórias.

Você já sobreviveu a vários outros dias “seus”.
O que torna cada um deles novamente especial e te dá o direito de chama-los de seus?

Continue lendo…

125
Me sinto uma versão beta construída por estudantes primários fascinados por orgias que nunca participaram.

Esse é o meu poema mais ultrapassado

30
Nenhum me representa Só eu falo por mim

Ninguém me Representa

134

Domingo não é um bom dia pra conjecturar

Talvez não seja domingo o melhor dia de conjecturar
Ou talvez nunca seja

As mãos perdidas entre o fazer e o pensar
São pesadas ferramentas

A música lá fora me irrita e indigna
Seja o que for o que ouvem não é pra mim

Continue lendo…

91

Nadja de Breton

Inocência desinibida
De quem vive a vida

De desenhar cada passo
De rir de cada descompasso

Das ruas estreitas e boulevares
Dos amores desfeitos aos pares

Continue lendo…

71

Me reencontro a cada esquina

Seguro dos erros
Dos acertos?
Inseguro

Me iludo nas palmas
Me escondo?
Me desnudo.
Continue lendo…

42

Escreva também
no prascucuias

Ultrapasse a barreira do conformismo e mande seu texto para gente.

Envie seu texto

Assine nossa newsletter

[contact-form-7 id="3498" title="Newsletter"]