Lamentamos!

10/08/2011 Gritos do Nada

“Perdoe-nos, mas queremos escrever!”

Lamento muito se seus olhos não estão mais habituados, ou se de fato nunca foi do seu feitio, mas a verdade é que queremos escrever, e não me importa nenhum um pouco sua dificuldade ou não de entender.

Desculpe senão falarmos pomposamente ou não usarmos palavras fáceis, perdão se não falar de politica ou se escrever um manifesto, pois a verdade, lamento dizer, é que escrevemos sendo escravos das nossas predileções, escravo dos nossos dedos e não nos esforçamos pra escrever o que você, provavelmente, gostaria de ler.

Vamos escrever de amor, pra tentar ser sublime e no segundo seguinte cuspir na cara de alguém e sair em disparado pelas noites, e depois voltar para os braços da musa (se musa tiver!), vamos reclamar da bobagem dos dias cinzentos, do metrô, do trânsito, e pode ser que assim se questione o mundo e as filosofias… e pode ser que só falemos de amor mesmo.

[quote_left]”Lamento dizer, é que escrevemos sendo escravos das nossas predileções.”[/quote_left]Perdão, amigo, pelos palavrões e outras palavras de baixo calão, mas aqui onde nós, os estranhos, somos os donos as palavras não tem classificação, a regra é se fazer entender e se expressar como quiser. E se pra isso tiver que escrever “vai se foder!” será isso que você vai ler.

É com pesar que comunico: este espaço não é pra você! Este espaço é nosso! Não é um site para leitores ou visitantes, é um site para nos mesmo, os malditos autores. Para nós que escrevemos, para nos escolhemos as cores, as palavras, as fotos, os desenhos e o layout. Perdão, mas este site não é pra você, é pra nós.

Não queremos fundar um movimento, queremos as nossas letras emporcalhando a telinha branca. Queremos o prazer de ver nossas idéias e pensamentos perpetuando-se livremente (será?) no universo vasto e anárquico (será?) da internet.

Somos filhos dela (internet) e é só por ela que começamos a escrever o que enxergávamos e percebíamos que as coisas a nossa volta precisam ser descritas, e mais que tocar o que nos rodeia, começamos a ser tocados e disso saíram as primeiras letras, as fotos desfocadas, os desenhos… mas o nosso amor é pelas palavras, e as enfileiramos a nosso bel prazer cada vez que algo nos toca…

Somos filhos da internet e amantes das palavras.

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

3 thoughts on “Lamentamos!

  1. Bang! Tenho certeza que um manifesto ia ser muto foda! Mas ia ser muito pretensioso. Sem contar que as vanguardas já morreram faz tempo e tenho certeza que nós não queremos salvar ninguém do marasmo e temos um baita cuidado em levantar bandeiras.

    Realmente ia ser muito cabível uma foto nossa aqui, mas não achei no computador. Pois é, lamentamos!

  2. Melhor que levantar bandeira é dar bandeira!

    A verdade é que o mundo tá cheio de manifestos e boas intenções. Acho que o nosso melhor manifesto é a nossa quixotesca vontade de escrever, de ser lido, é o tempo e a grana que desperdiçamos nosso melhor manifesto.

    Pretensão, arrogância e impáfia não combina muito com o Corvo, ele combina mais com sarcasmos, cinismo, sagacidade, preguiça, leniência, vontade de brigar e outras coisas assim… rs

    Nosso manifesto deve ser cada palavra que escrevemos, somos complexos pra pôr numa folha o que pretendemos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: