Me reencontro a cada esquina

27/03/2017 Gritos do Nada

Seguro dos erros
Dos acertos?
Inseguro

Me iludo nas palmas
Me escondo?
Me desnudo.

Nem perdido nem achado
Confuso?
Não escuto

Seguro a esperança
Pelo rabo?
Pelo mundo

Se perdido me sinto?
Eu me acho
Então minto.

Jogado ou julgado?
Eles falam
Eu não escuto

Sou sempre eu mesmo
Será?
Me defino sem pensar

Das prisões que escolhi
Ser eu e só seu
É meu melhor cativeiro

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

17/05/2018 Gritos do Nada
A rede social não é rede é quase espelho A bolha cria narcisos que sempre certos

Essa vai pro feice

02/12/2017 Gritos do Nada

O Paradoxo do Aniversário

É seu dia, mas também de milhares de outras pessoas aleatórias. Você já sobreviveu a vários outros dias “seus”. O que torna cada um deles novamente especial e te dá o direito de chama-los de seus? […]

Leia mais…

12/09/2017 Sonhos Viciados
Me sinto uma versão beta construída por estudantes primários fascinados por orgias que nunca participaram.

Esse é o meu poema mais ultrapassado

24/06/2017 Gritos do Nada

Ninguém me Representa

Nenhum me representa Só eu falo por mim E o que se apresenta Hoje é o começo do fim E de quase tudo que falei Só do silêncio me arrependo Pois as palavras que não usei Tem quase tudo que entendo E se você confia neles Você os merece então Minha raiva é contra eles […]

Leia mais…

19/06/2017 Gritos do Nada

Domingo não é um bom dia pra conjecturar

Talvez não seja domingo o melhor dia de conjecturar Ou talvez nunca seja As mãos perdidas entre o fazer e o pensar São pesadas ferramentas A música lá fora me irrita e indigna Seja o que for o que ouvem não é pra mim […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: