Nadja de Breton

18/06/2017 Gritos do Nada

Inocência desinibida
De quem vive a vida

De desenhar cada passo
De rir de cada descompasso

Das ruas estreitas e boulevares
Dos amores desfeitos aos pares

É nos hotéis velhos que dorme
Ou apenas exista nos conformes

Que de dia se dispa da normalidade
E vive seu dia, nas ruas, em frugalidade

Nadja dança e canta
Música que não conheço
Nadja me assusta e encanta
E preso a ela permaneço

Todas as cervejas bebi
Em todos os cafés morri

Andei as ruas e os bares
Senti da noite todos os ares

Vi seus desenhos sem sentido
E declamei elogio medito

Ouvi de ti os amores e ilusões
E não fui das melhores opções

Nadja dança e canta
Música que não conheço
Nadja me assusta e encanta
E preso a ela permaneço

Ela me fez perguntas que nunca fiz
Teve respostas que nunca se diz

Fez desenhos que me retrataram
Mas quem sou entre seus desenhos?

Disse frases que nunca esqueci
E fez coisas que não permiti

Terá sido Nadja pura ilusão?
Terá sido Nadja puta então?

Nadja dança e canta
Música que não conheço
Nadja me assusta e encanta
E preso a ela permaneço

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

17/05/2018 Gritos do Nada
A rede social não é rede é quase espelho A bolha cria narcisos que sempre certos

Essa vai pro feice

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: