O ser invisível – As noites frias na Praça

30/05/2014 Gritos do Nada

Limpou a boca na manga da camisa puída
Olhou o céu cinza e sentiu as gostas da garoa

Sentou-se sobre o meio fio com os pés na sarjeta
Deixou-se sentir o frio, escarrou e baixou a cabeça

A água suja que agora escorre livre pela rua
Parece a lágrima suja que escorre por seu rosto

Passou da fase de sentir saudades ou desgosto
Sente agora apenas fome, frio, sono e abstinência

Não percebe que suas conversas já são sem nexo
Percebe os pés descalços pisando o gelado asfalto

Discute aos berros com o poste onde cambelando bateu
Mas sabe que precisa de cada centavo que possa pegar

Conta tudo pela metade e abruptamente sai andando
Ri alto das palavras do pastor que prega no meio da praça

Nunca tira as roupas, vai colocando as que ganha por cima
Não dorme pensando em amanhã e hoje não sabe o que queria

Ele vagueia sem lados entre a loucura e a lucidez
Dança em cada lado com a destreza de um bailarino

As vezes existem para olhar nossos carros e lavar parabrisas
Deixam de existir quando os vemos largados no frio da madrugada.

Perdeu o fio da meada, da conversa e da vida
A fome é um monstro que lhe ataca a barriga

Sonha? Não sabe ou não lembra… como saber?
A realidade é um pesadelo do qual não se acorda

O escape pode ser o Duelo, o cachimbo… o morrer
Deitar na calçada e quem sabe nunca mais levantar

Vive os minutos, não os dias ou os anos
Tudo é imediato, tudo é pra agora ou nunca

Ele se perdeu? Ou será que nós o perdemos?
Emergidos em nossos mundos paralelos

Eu vi um deles e parei para ouvir suas lamúrias
Me perdi em suas histórias e não sei repetí-las

Na praça no frio todos se tornam apenas um
E cada um é um abismo cheio de dor e lembranças

Nós o chamamos de mendigos, moradores de rua
Lhes tiramos sua humanidade, para nos sentirmos melhor

Sabe aquele homem com o rosto sujo, com cheiro ruim?
Que lhe pede um trocado e te assusta? É uma pessoa.

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: