Sangue, Suor & Cerveja – A Partida de Truco

28/11/2014 Gritos do Nada

Antonio não queria nem saber, pediu outra!
Mesmo estando tão bêbado que não se levantava

O truco estava silencioso, como nunca esteve
E Antonio só fez sua jogada quando a breja chegou

Tomou de um gole todo o conteúdo do copo americano
Respirou pela boca e soltou um suspiro alto

Seu parceiro limpava o suor que lhe escorria da testa
Eram 50 reais apostados por cada jogador, ele pensava

A embriaguez de Antonio milagrosamente passava
E então ele lembrou do seu dia de merda…

Das coisas que ouviu o dia todo e deixou passar
Lembrou das mulheres que nunca lhe olharam na cara

Pensou em cada derrotinha que tem durante seu dia
E pensou que agora era a hora de se vingar…

Tinha um ZAP! Seu adversário lambia os lábios
A guerra do truco se dá mais com mente que com cartas

Faz o sinal pro seu parceiro fazer a primeira
Ele manda um pica-fumo e os caras deixam passar

Vem a segunda e o parceiro não joga nada!!!
Ele fica puto, até que entende a estratégia…

A segunda foi ganha por eles com um 2.

Vem a terceira e então o silencio é cortado: TRUUUUCO!
Seu parceiro coça a testa, estremece… não recebeu o sinal

Antonio diz que quer ver e faz seu parceido pedir seis
Ele pede sem nem levantar a voz…

Os caras aceitam, mandam descer, o parceiro de Antonio joga o 3…
Todos se entre olham, eles riem e um grita: NOOOOOOVE!

Antonio sente que é esta a hora… chega a sua vez.
Ele olha o Copas no meio da mesa, vê os olhos arregalados do parceiro

Toca com o dedo as bolinhas que escorrem do seu copo
Afasta a cadeira e então toma um ar…

DOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOZEEEEEEEEE LADRÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃOOOOOOO!!!!

Seu parceiro fica branco! Abaixa a cabeça e parece rezar
Os caras ficam indecisos, olham o Copas e os olhos semi-serrados de Antonio

Um deles pega no braço de Antonio, olha no fundo dos seus olhos
Sente o cheiro da bebida, sorri e diz: Desce.

Antonio levanda da mesa, pega o copo, bebe…
Manda o Paraiba descer uma branquinha… saboreia o momento.

Então ele desce, bem lentamente, a mão até a mesa e apresenta o ZAP.
Seu parceiro levanta da mesa e começa a pular pelo bar…

Os caras levantam, Antonio pega a grana e sorri para eles.
Não se viu de onde, mas um deles tirou uma faca e furou Antonio

Todos correram, ficaram no bar Paraiba e Antonio apenas…
Antonio vê o sangue manchar sua camisa social amassada

Assiste o desespero na cara do Paraiba… mas continua sorrindo
Tosse sangue e fecha a cara e diz: Porra Paraiba, cadê minha pinga?

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: