Sonho Infernal

26/06/2013 Gritos do Nada

Ele sentou-se sobre uma das montanhas de carne podre e sangue e de lá pode admirar o espetáculo infernal de seres vermelhos e negros com garras e dentes destruindo e despedaçando as almas e corpos dos que haviam pecado.

E por mais que gritassem, que suplicassem, suas almas não seriam poupadas, seus algoses sorriam e gritavam seus pecados ainda mais alto do que podiam gritar de dor e horror as pobres almas.

[quote_left]Ele não sabia como, mas sabia que as almas sentiam todas as dores e medos…[/quote_left]E sua dor era eterna! Pareciam que sofriam desde sempre e sofreriam para todo o sempre, pois por mais destruídas, por mais despedaçadas as almas não terminavam, para um deleite quase sexual de seres cruéis e felizes!

O horror enfim lhe tocou e precisou virar o rosto, porém nenhum ângulo era melhor…
Do outro lado viu um lago de fogo e sangue onde as almas derretiam sem nunca parar. Via os braços levantarem-se numa vã tentativa de safar-se da dor…

Ele não sabia como, mas sabia que as almas sentiam todas as dores e medos, além de fome, sede e sono… e tudo pra sempre.

“Pra sempre” era a grande maldição…

Não consegui mais então fechou os olhos e quando os abriu viu um cortejo grotesco de novas almas, que eram puxadas pelos monstros para horrores que ele não sentia-se capaz de descrever ou ver…[quote_right]Lembrou do sonho e lá no inferno a dor parecia ser eterna, mas na sua vida parecia também ter sofrido pra sempre.[/quote_right]

Acordou!

Suspirou de alivio, mas viu da sua barraca de papelão um garoto roubando de outro um cachimbo e após conseguir procurou no chão sujo e molhado os restos de pedra que caíram durante a briga. Ao lado destes uma mulher grávida cheirava cola e bebia e também parecia fingir que não tinha dentro de si outra vida por destruir…

Deitou novamente a cabeça sobre os restos de rouba que usa de travesseiro e lembrou-se da sua mulher agora distante e de tudo que perdeu por vicio e fraqueza…[quote_left]”Pra sempre” era a grande maldição…[/quote_left]
Tentou lembrar da última vez que sorriu de verdade, sem o auxílio do álcool, e só conseguiu lembrar do cheiro terrível que existe nos cantos perdidos onde dorme que impregna em sua pele de tal forma que nem ele mesmo consegue mais se livrar…

Lembrou do sonho e lá no inferno a dor parecia ser eterna, mas na sua vida parecia também ter sofrido pra sempre.

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: