Túnel do Tempo (ou do Metrô?)

21/08/2013 Gritos do Nada

A revista da semana não quer que ninguém Veja!
Mas escapa pelo ladrão as verdades do Alquimista!

Que diz que não, quer informação e que esbraveja
Mas o CADE saiu da letargia e só seguiu a pista

Pois no túnel do metrô escondeu a Siemens, muy amiga
E de lá o dinheiro derramou-se na formação do cartel

Não há bonzinhos. A verdade é que só traiu por ser traída
Pra se safar contou uma história diferente da que tem no papel

E tome polícia na rua contra protesto e com ordem de bater!
Batendo na Siemens? Não! É ex, mas ele tem cuidado e medo

Batem nos garotos e tome spray de pimenta e professores a correr
Fala em manobra eleitoral, finge achar que pra campanha está cedo

Ele mesmo que num perdeu oportunidade de se vender como gerente!
Falando em eficiência, em cuidado extremo com nosso erário suado!

Mas já amiguinho dos cartéis, falou contra a corrupção de outra gente!
Hipocrisia é o nome do jogo em que Geraldinho é jogador afamado!

Pelas sombras anda um Vampiro diferente, que não morde, só Serra!
Parece estar envolvido, mas mantem-se atrás de negra capa

É tudo inocente! Tucano é bicho (como outros) que nada sabe ou nega!
E nega com veemência! Se sentindo ofendido como uma beata!

São todos iguais? Não sei, mas esse filme passou a pouco tempo!
Apontam as provas, gritam os jornais, mas a rua segue calada…

Ficam quietinhos nossos algozes, esperando apenas nosso esquecimento
E como somos bons nisso né? Eleição chega e mentiras viram piada

Só que ano que vem será o ano pra vitória ou pro continuo lamento…
Seremos atores principais ou espectadores da peça que está armada?

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: