Última Carta

23/12/2011 Gritos do Nada

O meu prazer é loucamente aguçado, são tão tentadoras suas formas de se expressar

Lia e relia a porra da frase, e mal podia entender como uma carta que começa com uma frase como essa poderia ser uma carta despedida.

Ele chegou em casa como em todos os dias, ainda chateado com a briga que teve com ela pela manhã, pois disse, no calor da discussão, que voltaria pra casa apenas pra pegar suas coisas e ir embora.

[quote_left]Ele sorri, aqueles sorrisos tristes de saudade[/quote_left]Porém durante o dia acalmou-se, chegava em casa agora para pedir desculpas, e foi uma carta de despedida o que encontrou sobre a TV. Ela dizia no fim que nunca mais voltaria a seus braços…

Ainda olha em volta, vendo cada pedaço da casa e da mobília onde deveria estar alguma coisa dela. Olha pra estante empoeirada e dá falta das fotos, do bibelô de extremo mal gosto que ele insistiu tanto em deixar ali, na sala, pra todos verem. Levanta-se da poltrona, toca o lugar da mesa de canto onde ficava uma bonequinha de porcelana que ela tanto gostava… caminha pela casa…

Na cozinha não tem mais a panela elétrica, a cafeteira de 20 reais e nem um conjunto de copos que ela nunca usava mais deixava a mostra. A cozinha está morta, ele pensa, imaginando ela abrindo a geladeira e “assistindo” seu conteúdo até ele próprio gritar para ela fechar a porta. Ele sorri, aqueles sorrisos tristes de saudade, fecha os olhos e continua seu tour.

Passa direto pela porta do quarto, não tem coragem de abrir a porta e não ver as coisas dela por lá…

No banheiro dá falta da balança, a droga da balança de onde ela todo dia reclamava de uns quilos a mais, ou de onde comemorava algumas gramas a menos. Lembra que nunca subia nela quando Érica estava por perto.

Recorda da cumplicidade de dividir um banheiro, de tomar banho enquanto ela escovava os dentes. Ele enfim deixa as lágrimas escaparem.

Limpa o rosto com a manga da camisa branca e, como já começou a chorar mesmo, resolve que é hora de entrar no quarto. Antes de abrir a porta ouve o celular dela tocar dentro do quarto, imagina que ela está lá dentro, que, arrependida da carta, tenha se trancado no quarto.

Abre a porta com lentidão, ainda ouve o celular tocando.

Vê as coisas dela espalhadas pelo chão, o bibelô jogado perto da escrivaninha, porta-retratos entre suas pernas na cama, ela parece dormir, enquanto o celular toca…

Ele vê, perto dos copos e da bonequinha, uma lâmina, o sangue parece já estar seco.[quote_right]Ela dizia no fim que nunca mais voltaria a seus braços…[/quote_right]

Só agora ele olha pra ela, ela parece dormir, os dois braços embaixo da cabeça, o travesseiro antes branco agora é todo vermelho, ele vê pelo rosto dela as marcas das lágrimas que escorreram pelo seu rosto.

Levanta seu rosto e num misto de tristeza e horror encara seus pulsos brancos cortados, agora já sem sangue algum pra escorrer.

A solta com pressa, como se só agora se dessa conta de que, dessa vez, é tarde demais pra pedir perdão por ser babaca.

Deixa mais uma lágrimas escorrerem, antes de procurar a pistola guardada na escrivaninha…

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: