Caminhando na cidade sem espelhos
Sem vitrines, sem ofertas, sem sinais.
Só lembranças de beijos, tardes de sossego, vida certinha querendo ser rock’n’roll.

Cantando na cidade de crianças sem olhos, escrevendo nas camisetas desespero.
Não é filme de horror.

A cavalaria aponta a espada pra garganta das senhoras de olhos negros.
Olho fosco, nenhum brilho na cidade alegria, vou celebrando, nessa festa passional, eu vou.

Picasso na camiseta dos meninos,
Goya rasgando nas meninas.
Caminhando na cidade sem reflexo. Nem poça d’Água, nem carisma, não há segredos na cidade alegria.

Comprei enciclopédias no sebo pra curar meu amor complacente,
que me deixou órfão de giz, Thoreau e Max Stirner.

Não há reflexos na cidade alegria, não quero nome, nem imagem, nem orgulho enquanto eu estiver na cidade perdida.

Leave a Reply

  • (will not be published)

Últimas Postagens

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa.
O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas.

Continue lendo…

55
Me sinto uma versão beta construída por estudantes primários fascinados por orgias que nunca participaram.

Esse é o meu poema mais ultrapassado

127

A herança de todos os miseráveis

Eu carrego comigo: coragem, dinheiro e bala. Já disse um poeta, já disse um deputado. Você escolhe o palco da vida ou a Bancada da bala? Continue lendo…

58
Cavo um poço com as britadeiras dos meus olhos sangrentos e os estilhaços lapidam os corações de todos os seres rastejantes do vale do Anhangabaú.

Piazzas VI

134

Meu verso livre.

Meu verso livre, sufocado.

Continue lendo…

24

Escreva também
no prascucuias

Ultrapasse a barreira do conformismo e mande seu texto para gente.

Envie seu texto

Assine nossa newsletter

[contact-form-7 id="3498" title="Newsletter"]