Camiseta negra. [O dia que não sai de casa]

14/03/2015 Sonhos Viciados

Minha janela nesse domingo entrará em retiro espiritual. É dada a hora de outras bandeiras tremularem e não às minhas. Por isso fecho a janela do mundo e me recolho com certo constrangimento.

Sou sim contra essa gente que governa, essa gente que usa recurso público pra benefício próprio, essa gente careta e sem graça que popula os congressos, plenários e anestesia as cabeças já engessadas dos nossos juristas, sou sim contra todos eles. Mas não me assusta essa gente articulando suas vontades, me assusta meus iguais pensando igualmente como eles. Defendendo os mesmos valores que eles.

Amanhã muitos vão cantar contra essa gente e o grito vai ecoar por todas as ruas, mas nessa festa eu não vou entrar, esse samba eu não vou bailar. Não partilho dos mesmo fins que essa gente de guache verde amarelo e me falta o músculo dos fortões para cantar esse hino pátria amada que abandona seus filhos a toda sorte e acaso. Não sou da ordem da conveniência e nem desse progresso cheio de fúria e ódio.

Vou vestir minha camiseta negra mais uma vez. Que nada tem de luto, mas lhes digo uma vez mais, minha camiseta negra é de luta. De luta por sonhos, luta por igualdade, de luta por reinvenção, de luta por um amor sem fim. Fico muito feliz pela comoção, pela posse das ruas, pela brincadeira adorável que a democracia permite. Porém, todos os coquetéis da minha varanda não serão usados contra gente comum que pensa diferente de mim e são tão miseráveis quanto eu. Minhas armas estão apontadas em cada vez que repetimos uma convenção medíocre simplesmente por que assim nos ensinaram e assim repetimos todos esses códigos de domínio e exclusão.

Se poderemos extrair algum traço inteligível na mobilização de amanhã, então terás mais uma prova que a esquerda é muito mais sedutora que essa onda sem direção. Mesmo acumulando um punhado de erros, veremos que a esquerda não espera o dia de descanso e lazer para se fazer ouvido, que sabe moderar discursos radicais com doçura e lirismo. Que vêem além do horizonte.

“Status quo de merda.”

Esse dia é de vocês crianças, gritem e lutem. Um ótimo exercício para vocês, peões cegos que lutam diariamente para manter essa maravilhosa engrenagem assassina rodando em nome de sua própria sobrevivência.

Não serei o dia 15, não serei o Brasil, serei todos os dias minha camiseta negra, onde quer que eu esteja, estarei pronto para explodir.

Venceremos.

Um cara entre vielas cheias de gente e ônibus lotado. Que se perde em alguns bares e se põe a ver a velocidade dessa gente. E rir da estupidez dessa lógica.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

12/09/2017 Sonhos Viciados
Me sinto uma versão beta construída por estudantes primários fascinados por orgias que nunca participaram.

Esse é o meu poema mais ultrapassado

07/09/2016 Sonhos Viciados

A herança de todos os miseráveis

Eu carrego comigo: coragem, dinheiro e bala. Já disse um poeta, já disse um deputado. Você escolhe o palco da vida ou a Bancada da bala? […]

Leia mais…

25/07/2016 Sonhos Viciados

Frases de uma palavra só III – Eu sei

27/01/2016 Sonhos Viciados
Cavo um poço com as britadeiras dos meus olhos sangrentos e os estilhaços lapidam os corações de todos os seres rastejantes do vale do Anhangabaú.

Piazzas VI

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: