Destino Embu das Artes

02/12/2011 Sonhos Viciados

Seu óculos louis Vitton da 25 de março.
Sua pele tratada com muito monange.
Bunda de puta é a textura das paredes do céu.

Perfume tranca rua,
asfixia as ideias te tira do lugar.
Ela compra uma maço de free e luta pra não revelar seu verdadeiro nome.
Ela da sinal e some num intermunicipal destino Embu das Artes.
Um adeus pra Paola pernas grossas com cheiro de lavanda e cabelos banhados em formol.

Um cara entre vielas cheias de gente e ônibus lotado. Que se perde em alguns bares e se põe a ver a velocidade dessa gente. E rir da estupidez dessa lógica.

Comentários

One thought on “Destino Embu das Artes

  1. Ah essa Paola, me fez esquecer um pouco a saudade que eu tenho da Rita! rs

    O verdadeiro é o ar dela, a cara de puta, as coxas grossas e o cabelo alisado… ela se constrói, mas nas noites, quando abri essas coxas grossas ao prazer, ela se desfaz em gemidos e seu cabelo se levanta com o úmido do suor e da saliva…

    Os óculos caíram a muito no chão, e o cheiro/sabor do perfume já se foi com o cheiro/sabor do suor, o cigarro acende depois Paola, na hora de pegar o busão…

    Ela disse já uns três nomes, infelizmente só Paola decorei, deve ser pela loucura de um nome italianado numa morena tão nacional, tão Maria ou Leandra ou sei lá…
    A história triste é quase sempre a mesma, depois do prazer vendido, tem a justificativa. O filho que nasceu cedo demais, os pais que moram longe, um ex-marido que foge… nada muda sua visão de si. Ela se acha perdida, e nela só quero me perder…

    A calçada ainda molha o solados da sua sandália salto alto, que deixa a coxa mais dura e panturrilha com cara de que vai explodir… Ela sorri aquele riso preocupado, quer contar mais alguma coisa, abraça-me forte e…

    Mas agora é tchau Paola, o ônibus já chegou…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

12/09/2017 Sonhos Viciados
Me sinto uma versão beta construída por estudantes primários fascinados por orgias que nunca participaram.

Esse é o meu poema mais ultrapassado

07/09/2016 Sonhos Viciados

A herança de todos os miseráveis

Eu carrego comigo: coragem, dinheiro e bala. Já disse um poeta, já disse um deputado. Você escolhe o palco da vida ou a Bancada da bala? […]

Leia mais…

25/07/2016 Sonhos Viciados

Frases de uma palavra só III – Eu sei

27/01/2016 Sonhos Viciados
Cavo um poço com as britadeiras dos meus olhos sangrentos e os estilhaços lapidam os corações de todos os seres rastejantes do vale do Anhangabaú.

Piazzas VI

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: