Gosto de Esperança na garganta.

05/08/2011 Sonhos Viciados
Sonhos viciados

Hoje conversei com meus desenhos,
tentativa deseperada, esquizofrenica.
Deve ter sido o susto, de ver os prédios distorcidos,
as pessoas embriagadas e as ruas sujas.

Decidi deixar em casa meus óculos,
pois assim, me parece que é o mundo.
Tudo desfocado.
Com o concreto gélido,
com as pessoas do ártico.

Foi ai que me deparei no espelho.
Que vi minha cara deformada,
tão estranha como as formas do concreto.

No susto apunhalei a arma e disparei.
Nela.
A Esperança.

De certo que minha vista limitada,
imprimi na minha mente o mundo que eu julgo.
Ela me mostra e eu dou a setença.

Com horror, sem escrúpulos.
Do mesmo jeito que via Esperança, uma vadia aflita.

Por isso os disparos,
que marcaram minha roupa de sangue.

Já não existem mais heróis
e Esperança não vale nada.

Esperança em descrédito, profanada.
Na cidade fria eu não contive.
Três disparos.
Já não mais os suspiros de Esperança,
ela já não me engana.

Só descansa, pacífica.

Porém seu sangue ainda contamina a minha garganta.

E nessa hora, os prédios gritam e as pessoas se calam.

Esse é texto de alguns anos atrás e nem sei se já foi publicado aqui, mas tempos de mudanças, de inicios e fins merecem esperança.

Um cara entre vielas cheias de gente e ônibus lotado. Que se perde em alguns bares e se põe a ver a velocidade dessa gente. E rir da estupidez dessa lógica.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

12/09/2017 Sonhos Viciados
Me sinto uma versão beta construída por estudantes primários fascinados por orgias que nunca participaram.

Esse é o meu poema mais ultrapassado

07/09/2016 Sonhos Viciados

A herança de todos os miseráveis

Eu carrego comigo: coragem, dinheiro e bala. Já disse um poeta, já disse um deputado. Você escolhe o palco da vida ou a Bancada da bala? […]

Leia mais…

25/07/2016 Sonhos Viciados

Frases de uma palavra só III – Eu sei

27/01/2016 Sonhos Viciados
Cavo um poço com as britadeiras dos meus olhos sangrentos e os estilhaços lapidam os corações de todos os seres rastejantes do vale do Anhangabaú.

Piazzas VI

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: