Perfume de mulher

10/05/2012 Colunas - Sonhos Viciados

Sem entrar em questões religiosas ou quem dirá metafísicas, se Deus existe ele mandou algumas provas. Listando de maneira breve as mais contundentes são perfume e coxas de mulher.

Tem gente que diz que essa coisa de mercado e consumo é coisa do diabo, eu mesmo já nem me importo, adoro todos aqueles cheiros dos frasquinhos. Repetidos mesmo, aos montes pra massa. Andando por ai, desfilando na Oscar Freire, direto da gringa ou numa cópia etílica da praça da Sé. O que o importa é o recheio, algum sábio canalha já deve ter nos alertado, mas o cheiro é a lembrança da sem vergonhice. E elas jogam o cabelo ao vento com seus fios empregnados de condicionadores e as fragrâncias te apunhalam forte, dentadas de vampiro e desde então você nunca volta a ser o mesmo.

E cada trem cheio um traço da vampira te aprisiona ou te eleva o espírito, uma direita bem dada no baço sem chance de defesa.

Perfumes te transportam, viagem no tempo in-natura, coisa de Deus só pode.

Os mais frouxos relatam outros odores. Os mais brutos dos caras gostam da essência pura das moças, com direito a suor e bochechas rosadas, temperadas pelo clima tropical só nosso. Sem recursos franceses ou nomes que homem de verdade não conhece.

Bom mesmo é a variedade, ser surpreendido e aguardar o reencontro, mesmo que seja outro corpo ou de alguma senhorinha que vai com o carrinho de compras em sua direção. Outro dia eu conto das coxas. Agora eu nem mais estou aqui. Viagem no tempo.

Democrácia se faz assim, sem direito a voto mas com todas as regalias e sem verdades absolutas. Mas Deus existe e sempre aparece acompanhado de um perfume de mulher. Amém.

* Na imagem do post uma pintura de John William Godward, feita em 1914. The new perfume.

Um cara entre vielas cheias de gente e ônibus lotado. Que se perde em alguns bares e se põe a ver a velocidade dessa gente. E rir da estupidez dessa lógica.

Comentários

One thought on “Perfume de mulher

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: