Teoria do espelho e dos finais felizes

10/02/2012 Sonhos Viciados

Faz dias que ouvi uma frase e é por isso que voltei. Como pode, sei lá. Mas me disseram que o amor acontece ao contrário.

Isso, de trás pra frente. A gente começa com o fim. Com direito a tapa na cara e puxão de cabelo. É o final feliz. Te como de quatro, te pego de jeito. E não é feio, é encanto. Paixão. Ainda quero isso pro meu último suspiro. Seria tudo pra mim, ser guiado sabe-se lá pra onde. Até o inferno seria doce. Apaixonado.

O começo a gente sabe, amistoso. O primeiro dia na escola. Quando nem a gente se aguenta. Volto pra casa, pego um copo com gelo. Dias quentes. Não sei que estação estamos. Não ligo a TV, nem me importa o jornal. As notícias, a vida congelante. Os cheiros das moças que senti no intervalo entre minha casa e o trabalho confirmam. No geral todo mundo vive diversos finais felizes. Obrigado Deus. Um brinde a democracia. Dos corpos, das escolhas, da pouca vergonha, das roupas curtas.

Ao contrário. E viveram felizes para sempre. Branca de neve que não transa, Sereia Ariel sem xana, não sei, tenho minhas dúvidas. Quando se fica bem triste se canta, uma ópera de tristeza e frustração. Que merda, qual é o mesmo o canal que passa o jornal nessa hora?

Melhor pensar nos outros finais felizes, que todo mundo vive. Nos fios de cabelos, nos faróis da cidade, da gente correndo, da gente se enroscando. No dia final que a gente se conheceu. Pensei no fim com todas elas. Se fosse Tutankamon pensaria num jeito de levar todos os suspiros comigo, pra eternidade. Aqueles que eu ouvi de todas elas, sussurrados, dados, roubados ou gritados nas vezes que estive no meio delas.

Eternidade. Deve fazer parte das histórias Disney Channel. Por isso não sou Tutankamon e as minhas memórias são dispersas e se misturam na fumaça carbono da cidade.

Histórias de amor ao contrário. Do fim pro começo. E no final a gente se esbarra, troca farpas, se estranha. Termina na cama ou num canto. Hoje eu gosto dos finais felizes. Especialmente aqueles, em que eu as conheci.

Um cara entre vielas cheias de gente e ônibus lotado. Que se perde em alguns bares e se põe a ver a velocidade dessa gente. E rir da estupidez dessa lógica.

Comentários

One thought on “Teoria do espelho e dos finais felizes

  1. Tbm acho. ^^
    Lembrei até de uma frase que diz que o oposto do amor não é o ódio, mas a indiferença. Se não me engano, de Érico Verísimo.

    Bjs 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

12/09/2017 Sonhos Viciados
Me sinto uma versão beta construída por estudantes primários fascinados por orgias que nunca participaram.

Esse é o meu poema mais ultrapassado

07/09/2016 Sonhos Viciados

A herança de todos os miseráveis

Eu carrego comigo: coragem, dinheiro e bala. Já disse um poeta, já disse um deputado. Você escolhe o palco da vida ou a Bancada da bala? […]

Leia mais…

25/07/2016 Sonhos Viciados

Frases de uma palavra só III – Eu sei

27/01/2016 Sonhos Viciados
Cavo um poço com as britadeiras dos meus olhos sangrentos e os estilhaços lapidam os corações de todos os seres rastejantes do vale do Anhangabaú.

Piazzas VI

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: