Vida singela

10/04/2012 Colunas - Zumbido Fugaz

Ela tão despretensiosa que não importaria o fim
andava como um zumbi entre os seres maquiados
e você acha que ela se preocupava com o que falavam?
Ela ouvia tudo filtrado pelo system dela…

Suas noites eram dolorosamente apavorantes
deitava e gritava, gritava tanto…
Não era mais encenação, não era o típico teatro
era o corroer de uma vida que maltratava.

E chorava, chorava tanto e adormecia soluçando
os vizinhos nem mais ficavam curiosos ou ajudavam
era algo que quem sabe o tempo curasse ou um suicídio.
Nem tentava a arte do sorriso, pra quê? Doía-lhe mais.

Caminhava pelo sol quente das 13h e não sentia nada
além de uma vontade imensa de mergulhar em suas próprias
lágrimas, medos, intrigas, loucuras e futilidades,
mas o mundo não deixava, hora de voltar ao trabalho!

Na madrugada de hoje sorriu para o próprio quarto
que empregava lembranças de um passado bonito
que não permeava mais o presente momento melancólico
admirava uma adaga que ganhara do seu único amor
que colecionava-as e a deu como um símbolo do estranho amor.

Enfiou lentamente aquela pequena adaga em seu peito esquerdo
tão dormente estava que a dor de viver era pior do que aquela
retirou-a e enfiou mais uma vez, tão fundo que nem imaginava
eu intrigada com a falta de gritos naquela noite a encontrei
com as últimas lágrimas da sua existência e o sangue que coloriu
perfeitamente o cenário sombrio daquele quarto vazio…

Um certo alguém simples que busca conhecimento e auto-conhecimento através dos escritos. Que se encanta por olhares e perde a noção do tempo tentando desvendá-los...

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: