Ah! Mente confusa!

23/02/2012 Zumbido Fugaz

Ah! O coração que é facilmente preenchido
com os sentimentos mais vis!
Ah! A paixão essa coisa que fere e satisfaz!
O mundo é um hospício
onde os loucos se divertem!

Ah! Essas mãos que perdem a noção do perigo
tocam e podem cair num vício desmedido.
Ah! Meu ego que pode ser corrompido…
Como pode uma mesma alma se deliciar assim?
Quero fazer parte da loucura da história!

Ah! essa minha mente mal-criada
inventa estórias, cria laços, distorce conceitos.
Ah! esses meus pés já tão cansados,
caminham torto, em meio passo, quase parando…
mas voam alto em direção a um novo rumo!

Ah! A sua vinda entre um copo e outro de cerveja
que só ilude meus pobres sonhos infantis!
Ah! A intensidade do tudo durante as madrugadas
que não ultrapassa a vontade da boa intenção…
Queria algo mais depois do meio-dia…

Ah! Essa vontade que me rasga por dentro,
me devora mais um pouco toda vez que te vejo!
Ah! Se sua boca dissesse o que tanto quero ouvir,
e se ouvindo, diferença alguma me fizesse…
Queria ser menos disso tudo e um pouco mais…

 

Nota: Esse poema foi ideia inicial da enigmática Débora (http://www.facebook.com/deboramaal). Que na verdade só havia tido uma inspiração numa tarde dessas de uma semana qualquer que a gente pega o celular e começa a escrever algo para um amigo. Pois ela encaminhou o primeiro verso para mim e para outros amigos. Eu disse a ela que ela poderia trabalhar mais com essa ideia central, então fizemos a parceria nesse poema, espero que apreciem!

Um certo alguém simples que busca conhecimento e auto-conhecimento através dos escritos. Que se encanta por olhares e perde a noção do tempo tentando desvendá-los...

Comentários

One thought on “Ah! Mente confusa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

23/07/2016 Zumbido Fugaz

Frases de 1 palavra só II – Perguntas

Tudo termina por aqui? Como? Quando? Por quê? Tinha algo bom por aqui? Ansiamos? Erramos? Jogamos? Precisamos trazer a sorte? Talvez? Você sabe? Não? Concedemos o que havia de melhor? Brindamos? Entregamos? Transamos? Eu naõ sei… […]

Leia mais…

24/06/2015 Zumbido Fugaz

Procure e ache

[…]

Leia mais…

09/06/2015 Zumbido Fugaz

Quando eu não te encontrei

Caminhei só, te procurando pelo bairro japonês que tantas vezes nos deu sabor, esbarrões e amor. […]

Leia mais…

08/05/2015 Zumbido Fugaz

Pedacinhos

[…]

Leia mais…

31/03/2015 Zumbido Fugaz

Por todo o tempo

[…]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: