Quando eu não te encontrei

09/06/2015 Zumbido Fugaz

Caminhei só, te procurando pelo bairro japonês
que tantas vezes nos deu sabor, esbarrões e amor.

Nos vi sorrindo na espera pelo guioza.
Observei-nos folheando mangás sangrentos
Te vi roubando um beijo sabor Melona
quase toquei na gente discutindo Marvel
Ansiosos pelo lámen do Aska.

Tropecei em nós na escada em frente ao metrô
e percebi que me explicava sobre terror gore.

A garoa dissipou aquelas vívidas imagens.
Mormaço invadiu meu corpo e eu corri
Na esperança de te achar ainda em carne viva…

Um certo alguém simples que busca conhecimento e auto-conhecimento através dos escritos. Que se encanta por olhares e perde a noção do tempo tentando desvendá-los...

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

23/07/2016 Zumbido Fugaz

Frases de 1 palavra só II – Perguntas

Tudo termina por aqui? Como? Quando? Por quê? Tinha algo bom por aqui? Ansiamos? Erramos? Jogamos? Precisamos trazer a sorte? Talvez? Você sabe? Não? Concedemos o que havia de melhor? Brindamos? Entregamos? Transamos? Eu naõ sei… […]

Leia mais…

24/06/2015 Zumbido Fugaz

Procure e ache

[…]

Leia mais…

09/06/2015 Zumbido Fugaz

Quando eu não te encontrei

Caminhei só, te procurando pelo bairro japonês que tantas vezes nos deu sabor, esbarrões e amor. […]

Leia mais…

08/05/2015 Zumbido Fugaz

Pedacinhos

[…]

Leia mais…

31/03/2015 Zumbido Fugaz

Por todo o tempo

[…]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: