Ariana

Cadê o amor, Ariana?
Cadê você?
Cadê as noites mal dormidas, Ariana?
Cadê?

Ah, Ariana
Lembro de tuas palavras de admiração,
De carinho e de paixão,
E o quão doce era as ler.

E cadê a lua sempre citada, Ariana?
Cadê você?
E cadê teu corpo esguio e sorriso vil, Ariana?
Cadê?

Ah, Ariana
O fogo que te rege
Te desabrocha,
E nos faz morrer.

E a sorte, Ariana, cadê?
Cadê você Ariana,
Cadê?

Ivan de Melo

Narcisista de um olhar tão gelado que pode empedrar toda a sua alma. Esse é o Ivan de Melo? Não isso é a superfície dele, dentro dele há um pote de doçuras só esperando o degustador certo. Estudante de eventos, planeja e faz divertir, na vida caminha entre filmes e versos com músicas dançantes sem medo da sua opinião. Quer conhecer?
Hábitos necrófagos é a extensão do prascucuias, a legião que se alimenta e regurgita do mesmo submundo. Do mesmo mundo, dos mesmos sabores. Estaremos em todos os cantos e embalagens. Esquinas e palanques. A autoria desses textos é de quem passou a barreira do conformismo e mandou um email pra gente. Escreva também no prascucuias, envie um email para mande@prascucuias.com.br

Comentários

2 thoughts on “Ariana

Deixe uma resposta para Ana Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

Estatuto do poeta

Atenção Poetas da Silva: Está proibido viver de ilusão: A ilusão mata! É proibido supor! Ou é vida ou morte! Amor ou ódio! Não suponha! […]

Leia mais…

- queria ficar trancada no seu quarto agora, mesmo que pra levar uma guitarrada na cabeça.

Resposta sensória meridiana autônoma

Vago por esta multidão de rostos tristes, de olhos chorosos e contentados a seguir a linha de um destino inexistente...

Vazio

Romance, ação, terror, comédia... Fique à vontade

Coisas legais para se fazer num dia frio

Abstinência

Estou irritada, impaciente! Meu corpo preso Meus lábios estão dormentes… Aqui neste quarto escuro, tenho vontade de gritar. E essa louca vontade… Ahhhhh… Essa vontade louca que me persegue. Não! Não posso! Acostuma-se… Fecho os olhos… Lembro-me da última vez… Que sensação dos Deuses… Tanto prazer… E agora cá estou lutando contra os meus desejos! […]

Leia mais…

Desvairados

O silêncio tem sido testemunha Das marcas de minhas amarguras Que pelas dores da artimanha Secaram as palavras Doce sono da solidão Que me embriaga com seu luto E não conhecendo o perdão Embaçam-me o futuro Caminhos lúcidos não me transam Onde as flores me fervem aos olhos Sobre as águas que me atravessam Desoladas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: