26/09/2015 Gritos do Nada

Vidraça

Não serei mais vidraça pro seu grito de guerra Nem admitirei ser fraco ou omisso Aqui quem fala é que nunca espera É quem fez de verdade da luta compromisso. Não aceito seu preconceito descabido Sua neura e sua falta de argumento Me deixe então com meu livre arbítrio! Já que não me é possível […]

Leia mais…

Continue lendo
03/02/2014 Sonhos Viciados

Piazzas I

Hélio Oiticica beija minha mão esquerda enquanto eu tento esconder opiáceos dos guardas e malandros dessa rua antiga e sem dono. Me escondo nos paralelos invisíveis da tua língua morta sem tradutores e dicionários. […]

Leia mais…

Continue lendo
18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

Continue lendo

3 anos…

27/02/2009 Colunas - Gritos do Nada

Sim… demoramos…

A culpa é da crise, ela que é culpada de tudo.
Não costumo contar sobre as coisas que escrevo, mas acho importante falar que ontem fizeram 3 anos que duas pessoas maravilhosas, que não conheci, faleceram prematuramente num acidente de moto.
Não estava lá, mas ouvi a história, e me foi impossível não escrever e acho que posso colocar aqui o que senti…

Uma Estrela, Um Astro

Eu vi mais um Astro no chão
Como cinzas da fogueira a se apagar
Estava bem perto dele a sua Estrela
Que só brilhava mesmo no nosso olhar

Eu vi uma lágrima a rolar
E a Estrela subia pro céu
Era questão de horas pra acontecer…
Espera Estrela… o Astro vai te acompanhar

Eu nem sabia o que dizer
Nem tinha certeza de poder falar
Queria um cobertor pra me cobrir
Não chorava sozinha, pra variar

Não havia sangue no chão…
E procurava com a mão,
um calor que não sentia mais…

Já é uma tragédia, “mais uma” vão dizer
Mas suas estatísticas não vão mudar:
Eu uma Estrela cair;
Eu vi um Astro chorar.

E não me diga que sente sem sentir
Não diga que sabe o que passei…
Senti os últimos suspiros do Astro
Que assistia impassível, sua Estrela morrer…

Acredito em Deus pra poder sorrir
Pois se existe um paraíso pra ficar
E esse for o lugar mais lindo que existir
Tenho certeza: tem mais dois lá a se amar…

Ir ao post original

Anti-Pressa

08/02/2009 Colunas - Gritos do Nada

Todo mundo corre…Todos cheios de coisas pra fazer…
Riem, falam, se divertem, mas a vida passa…
Inexoravelmente ela passa, e nos leva..
Nos leva segundos, minutos, dias, anos…

E todos têm medo, e correm, como que pra viver mais
Como se a velocidade fosse pressuposto do prazer…
Como se a adrenalina fosse o néctar pra tudo que é bom

Mas há tanto prazer em contemplar, em sentir…
As risadas que, de tão longe, se misturam com o som da musica
E não se sabe o que é musica, o que é riso…
O som gostoso da sua voz quando fala comigo…

Coisas tão simples e sublimes, que são imperceptíveis em alta velocidade
Como a calma e serenidade da fonte de água que não para
O inusitado das cadeiras sobre as mesas…
O doce e magnífico sabor do seu beijo…

Ir ao post original

O Eterno Retorno

05/02/2009 Colunas - Sonhos Viciados

Eu continuo sem fazer a barba,
Escolhi hoje uma calça surrada.

O chefe diz que é melhor eu me endireitar.
Que se foi a produtividade.

Eu nem ligo, nem sei, não tô pra ser ouvidos.
Lá fora chove, como todos dias vem chovendo.

Eu penso nos olhares que dão lição ao vento,
eu penso na minha dor nos braços.

Ele fala mais algo,
e senti que estou longe.

Eu penso na janta,
na gente,
das noites embriagadas…

Olho a janela e deixo um suspiro.
Como aquele que deixei pra ela.

Um suspiro e só um segredo no ouvido

Ir ao post original

Coletivo Zero Um

01/02/2009 Coletivo

Tem umas imagens que ficam na minha cabeça, a mesma prática não tenho com textos, datas e acontecimentos… Somem como eventos fantasmas amendrotatos.
Assim como as imagens, tem frases que ficam na minha cabeça, me ligam! E fico por dias com elas na cachola!

“Clemência fingida, nem morte nem vida.

Ir ao post original

Cinismo… Sincero

22/01/2009 Colunas - Gritos do Nada

Já pedi tudo que quero, e me parece pouco
Já perdi tudo que tinha, e me parece muito
E com o rosto entre mãos, mirando meus dedos
Tendo recuperar o vento que se foi, soprando e destruindo

Me viro pros lados, ninguém segura minha mão
Eu mesmo afasto as mãos que tentam me acalentar
Nem de nojo, nem de medo, só as afasto e digo não
Acho que ainda amo, mas não essa que me pega, nem aquela que me lembro

É, ainda amo, genericamente ainda amo, e a cada uma amo
E sem escrúpulos nem vergonha, a todas eu amo
E sei que, posso tocá-las e beijá-las, até posso tê-las
Mas devo dizer, com pesar e sem orgulho, nenhuma me tem…Nenhuma me terá…

Galinha?? Sacana?? Mentiroso?? Sou sincero em cada galânteio
Sou inteiro em cada caso, me atiro de bom grado e consigo o que quero
E depois descubro que não quero, ou que não quero mais…
Nem me enfado, nem me canso, só descubro que não era tudo que queria

Ou nunca quis… só queria acreditar que podia me entregar…
E não posso, nem quero e nem vou, não há donos para minhas vontades
E não há vontades para meus medos, e quem sabe não seja o medo a me levar
De solidão em solidão, com corações pelo chão no caminho que passar…

Ir ao post original

Recordar é viver

27/01/2012 Backstage

O medo eterno da página em branco

O assunto em voga por aqui é a página em branco. A mecânica da inspiração, o insight. O processo criativo. Destroçar a palavra e extrair sentido, significado, coloca-lá numa frase e reger uma orquestra. Tem gente que lê partituras e isso deve ajudar. Dar segurança pra enfiar a estaca no coração do vampiro e não […]

Leia mais…

24/05/2011 Colunas - Gritos do Nada

Deveria parar de me entupir de café durante o dia…

É madruga já, madrugada alta, como dizem os antigos, o sono (maldito seja!) me abandonou novamente.O melhor travesseiro, a cama mais confortável, um disco do Coldplay (estou até apelando) e nada o sono não chega. Meu corpo cansado pede descanso, mas os olhos ficam abertos, a cabeça trabalha, incessante, frenética, caótica. Odeio ter insônia. O […]

Leia mais…

25/09/2013 Gritos do Nada

Outra noite

Gustavo desceu do carro ainda com os cabelos molhados, o dono do carro não lhe deu tempo de dar tchau e acelerou seu Civic como se quisesse deixar pra trás não só Gustavo, mas o que fizeram nos últimos minutos. […]

Leia mais…

11/06/2011 Colunas - Gritos do Nada

Bom mesmo!

Bom mesmo é cerveja!Não adianta vim falarTempera as conversas e a vida! Bom mesmo é boteco!Pra rir e convensarQueria ter boteco todo dia! Bom mesmo é amizade!Pra te compreender te ajudarNão ter amigos perto é minha fobia! Bom mesmo é o amor!Pra beijar e abraçar!E eu quero tudo que é bom ao mesmo tempo!E não […]

Leia mais…

22/10/2013 Zumbido Fugaz
Escrava que sou, corro, não me repito.

Escrava do tempo

18/06/2012 Colunas - Sonhos Viciados

Interlúdio sobre o tempo

As horas distorcidas. A mente viciada em rotações assíncronas. Os copos enchem, o corpo esvazia. As memórias somem, destroçadas como fuligem. Sinta o seu próprio silêncio. Interlúdio sobre o tempo. Interludio sobre o tempo from Thiago Hernandez on Vimeo. […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: