03/02/2014 Sonhos Viciados

Piazzas I

Hélio Oiticica beija minha mão esquerda enquanto eu tento esconder opiáceos dos guardas e malandros dessa rua antiga e sem dono. Me escondo nos paralelos invisíveis da tua língua morta sem tradutores e dicionários. […]

Leia mais…

Continue lendo
18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

Continue lendo
26/09/2015 Gritos do Nada

Vidraça

Não serei mais vidraça pro seu grito de guerra Nem admitirei ser fraco ou omisso Aqui quem fala é que nunca espera É quem fez de verdade da luta compromisso. Não aceito seu preconceito descabido Sua neura e sua falta de argumento Me deixe então com meu livre arbítrio! Já que não me é possível […]

Leia mais…

Continue lendo

Cinismo… Sincero

22/01/2009 Colunas - Gritos do Nada

Já pedi tudo que quero, e me parece pouco
Já perdi tudo que tinha, e me parece muito
E com o rosto entre mãos, mirando meus dedos
Tendo recuperar o vento que se foi, soprando e destruindo

Me viro pros lados, ninguém segura minha mão
Eu mesmo afasto as mãos que tentam me acalentar
Nem de nojo, nem de medo, só as afasto e digo não
Acho que ainda amo, mas não essa que me pega, nem aquela que me lembro

É, ainda amo, genericamente ainda amo, e a cada uma amo
E sem escrúpulos nem vergonha, a todas eu amo
E sei que, posso tocá-las e beijá-las, até posso tê-las
Mas devo dizer, com pesar e sem orgulho, nenhuma me tem…Nenhuma me terá…

Galinha?? Sacana?? Mentiroso?? Sou sincero em cada galânteio
Sou inteiro em cada caso, me atiro de bom grado e consigo o que quero
E depois descubro que não quero, ou que não quero mais…
Nem me enfado, nem me canso, só descubro que não era tudo que queria

Ou nunca quis… só queria acreditar que podia me entregar…
E não posso, nem quero e nem vou, não há donos para minhas vontades
E não há vontades para meus medos, e quem sabe não seja o medo a me levar
De solidão em solidão, com corações pelo chão no caminho que passar…

Ir ao post original

Um Pedaço de Passado… Os Bronha…

19/01/2009 Gritos do Nada

O Proximo texto é beeem antigo, é do Thiago, e eu estou colocando porque ele anda muuuuito ocupado, e como é a vez dele…

Ó Deus! e eu que já fui corrompido?
Me perdi nessas levas de maldade
entre propagandas e pura arte.

E diz Deus, quanto custa um erro?
E esse gosto do fracasso que vive na garganta
gélido, opaco e muito dissolvido
entre muitas garrafas de vinho
Hoje me parece invencivel.

Clamo ao meu eu perdido
por onde foste, não seja esquecido!

Querem respostas.
Exigem as peças que na noite de núpcias
Roubei.

E assim ladrão, com essa cara de mocinho
vos digo, não existem vilões ou heróis.

Mas existe o preço de um erro.
Com ele o desapego,
eles só querem as peças.
Que nem valiosas eram.

E eu peço que venham comigo.
Desvirtuar a realidade.
Trazer aos dias a verdadeira felicidade.

***

Perdi tudo até meu cachorrinho
Só quero que sejam meus amigos.
Quero forças pra jogar fora a vergonha dos meus erros.

E coragem, muita coragem.
para assumir meus devaneios

Ir ao post original

Noites de Sexta

15/01/2009 Gritos do Nada

Quantas luzes eu vi naquela noite?
Com os olhos presos na sua face
Eram longas as minhas sextas
Assim como é curta nossa felicidade

 
Acabavam as noites, as bebidas e o som
Começa o sábado, com o forte estrondo da manhã
Não tinha vergonha dos meus olhos embriagados
No meio dos olhos sonolentos do metrô

Não corria porque não conseguia
Cansado dos meus vícios da noitada
Mas só queria correr pra não pensar
Nas breves alegrias da balada

O ônibus me esperava, me esperava também meu colchão
Podia fingir arrependimento, com o cheiro de cigarro no olhar
Podia dizer: Nunca Mais… ao acordar com a boca seca
Mas isso seria mentira, conto os dias pra próxima sexta.

Ir ao post original

Os métodos

13/01/2009 Sonhos Viciados

Já disse sobre a temática,
agora é sobre os métodos.
Vou escrever sem pudor,
sem nem ligar se tem qualidade.

Como venho fazendo.
Entendido que isso é uma parte.

Corajosa.
Uma verdadeira parte de mim mesmo.

Então, foda-se.
se ficar bonito ou feio.
É como sou,
as vezes tem acerto
e outras tem erro.

Tem dias que sou um apaixonado,
outras um fervoroso indignado.

Tem vezes que se esquece o acento,
e noutra linha eu te deixo todos meus dedos,
num prato, pra você comer.
Assim errante, humano…
Fiquem todos satisfeitos.

Ir ao post original

Crise

11/01/2009 Gritos do Nada

Sem cor, Sem sono
Com dor, Com fome
Sem flor, No abandono
Sem medo, só pavor

Sem carne, só mato
Com arma, me mato
Sem certeza, na merda
Sem eira, sem trégua

Sem crises já não sei mais, me apego nelas
Com descaramento descabido, urgindo e bradando
Ninguém me olha mais nos olhos, nem quero encará-los
Nem estou mais na escola, para poder ignorá-los

A vida, um segundo
A morte, meu mundo
Um grito, um surdo
O amor, um absurdo

A gente, nem sei
Há gente? não vejo
Sem pensar, não vivi
E sem olhar já desejo

Mendigando carinho, mas chorando sozinho
Malevolência de vilão, urgência por um “não”
Clemência fingida, nem morte nem vida
Soluços no escuro, silêncio profundo

Ir ao post original

Recordar é viver

10/03/2012 Gritos do Nada

Um vinho…

Perdeu força onde ninguém mais tentaria Quis ser diferente… quem sabe o que ele quis? Penou nos dias e nas noites, Sonhou com coisas poucas e perdeu Senta agora sobre a ausência E conta os azulejos da parede Perdeu algo nessa história, Talvez o fim dos amores impossíveis Ligou o velho som do quarto Ouviu […]

Leia mais…

18/11/2013 Gritos do Nada
Enche o copo, o peito, a cabeça... e no final fica vazio / Como o copo, o peito e a cabeça no final do longo dia...

Perdido

12/08/2013 Gritos do Nada

Conselhos de um Poeta Sujo e Brega

Quem sou pra dar conselhos? Poeta não posso me declarar Escrevo sim e acaso poeta seja, sou desses sujos e bregas E sendo Poeta Sujo, pode me ouvir sem precisar acreditar Tem algo que um dia alguém precisa lhe dizer: Para escrever bem sobre a vida, pretenso poeta É preciso, antes de saber métrica ou […]

Leia mais…

09/07/2009 Colunas - Gritos do Nada

O Caminho é o SER

Tenho um monte de guizos, tenho uma argola de ouroNão tenho vergonha dos teus rebolados, não vejo mais dorNão quero o mundo ao meu lado hoje, não quero ninguém a me olharNão serei uma boa companhia, justamente porque não quero ser Vi novamente no muro: “O melhor caminho é o SER”Letras que vão e vem […]

Leia mais…

16/07/2014 Sonhos Viciados
Vou deitar anestesiado, sem dores, indiferente. Vou sonhar com as ruas de enganos e destinos absurdos.

Hoje

07/07/2012 Gritos do Nada

No farol…

Não foi como num dia qualquer, teve essa vez que foi mais forte, ou mais intenso… Não sei, mas não foi como num dia qualquer. O trânsito tava como sempre, para, anda, para, anda… interminável. As buzinas vociferavam palavrões que os motoristas não tinham coragem de gritar por suas janelas fechadas do ar-condicionado (condicionado como […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: