18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

Continue lendo
26/09/2015 Gritos do Nada

Vidraça

Não serei mais vidraça pro seu grito de guerra Nem admitirei ser fraco ou omisso Aqui quem fala é que nunca espera É quem fez de verdade da luta compromisso. Não aceito seu preconceito descabido Sua neura e sua falta de argumento Me deixe então com meu livre arbítrio! Já que não me é possível […]

Leia mais…

Continue lendo
03/02/2014 Sonhos Viciados

Piazzas I

Hélio Oiticica beija minha mão esquerda enquanto eu tento esconder opiáceos dos guardas e malandros dessa rua antiga e sem dono. Me escondo nos paralelos invisíveis da tua língua morta sem tradutores e dicionários. […]

Leia mais…

Continue lendo

Uma Pagina em Branco

05/01/2009 Gritos do Nada

Sem lamentos, ainda estamos sem lamentos…
Não sem sofrer, ou sem divagar sobre o que poderia ter sido
Só não temos, por enquanto, nada pra lamentar…

Podemos sim reclamar, xingar, arrepender-se e porque não, até chorar
Mas lamentar… isso já não podemos… o nosso tempo já esta passando
Agarramos pelo rabo esse rato maldito chamado tempo…
E ele nos sorri acanhado, ele quer escapar, fugir com o vento…

E é pra isso que escrevemos, não pra sermos reconhecidos
Nem pra que um dia sejamos admirados…
Escrevemos porque as palavras são eternas
E com elas ficamos eternos também…

Já diziam os egipicios, morremos sim
Mas enquanto falarem nossos nomes
Seremos eternos… mesmo que por instantes…
E pra isso escrevemos, pra segurar o rabo daquele rato maldito…

Começamos…

Ir ao post original

Recordar é viver

10/04/2012 Backstage

Dá uma licença aqui…

Hoje, dia 10 de abril, é aniversário da minha irmã. Sei que muitos pensam que este espaço não deveria estar aberto a esse tipo de sentimentalismo… mentira, dúvida que alguém pense assim! Mas não vim aqui rasgar seca para ela, vim aqui na verdade postar um texto que daqui a pouco vai fazer 5 anos […]

Leia mais…

09/05/2011 Colunas - Gritos do Nada

Becos…

A luz não sustenta, fraca luzIluminar esses becos é loucuraBecos onde putas carregam sua cruz… Os becos são sujos, feridas em pusForte cheiro de urina no arOnde uma puta sem brilho ainda seduz Ninguém fuma maconha, ninguém maisÉ o cachimbo que cai no chãoE viciados são do beco a raiz Rua perdida, perdidas suas musasQue […]

Leia mais…

10/11/2014 Gritos do Nada

Versos soltos, mentes presas

Deixai as palavras falarem o que nunca pensamos em dizer Como deixamos pra trás as oportunidades de sermos felizes Deixa pra trás as caras amarradas de quem duvida do sorriso Como deixou pra trás seus pudores e suas mentiras de praxe […]

Leia mais…

21/05/2012 Colunas - Sonhos Viciados

versinhos para todas as vontades

versinhos de todos os tamanhos versinhos para todas as vontades. Para as insaciáveis, Para as modestas. Curtos. Longos. Longos e diretos Longos e cheios de arabescos, entornos, ornamentos variados, mil arestas, quase uma prosa. versinhos mínimos de pronto. versinhos ansiosos, confinados esperando o acerto. versinhos no guardanapo, escondido no bolso, dentro da carteira. Rabiscado no […]

Leia mais…

20/02/2012 Backstage

Pensamentos Carnavalesco: Das coisas que eu sei

Das coisas que eu sei… Eu sei que o mundo nunca é melhor do que o que fazemos com ele, demorei pra aprender, mas aprendi. Também sei que a vida pode terminar bem antes da morte, ou pode ir pra além dela, viver é mais que simplesmente estar vivo, espero que não esteja diante do […]

Leia mais…

02/06/2011 Colunas - Gritos do Nada

Sou só eu…

De sonhos, isso mesmoQueria ser um pote de sonhos,os que a gente pode viver e os que só podemos sonhar… Queria ter todas as dores,Pra ter todas as lágrimas. Ter um monte de sorrisosUm colar e várias certezas Desejei ser tudo que pudesseMas hoje, nesse frio, sou só eu. […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: