18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

Continue lendo
03/02/2014 Sonhos Viciados

Piazzas I

Hélio Oiticica beija minha mão esquerda enquanto eu tento esconder opiáceos dos guardas e malandros dessa rua antiga e sem dono. Me escondo nos paralelos invisíveis da tua língua morta sem tradutores e dicionários. […]

Leia mais…

Continue lendo
26/09/2015 Gritos do Nada

Vidraça

Não serei mais vidraça pro seu grito de guerra Nem admitirei ser fraco ou omisso Aqui quem fala é que nunca espera É quem fez de verdade da luta compromisso. Não aceito seu preconceito descabido Sua neura e sua falta de argumento Me deixe então com meu livre arbítrio! Já que não me é possível […]

Leia mais…

Continue lendo

Esse é o meu poema mais ultrapassado

12/09/2017 Sonhos Viciados

Blockchains, chatbots, algotrades.
Nasci na revolução do agora.
No vazio silenciado da ultima década [esquecida.]

Amanhã vou nascer de novo,
Não lute com seu eu de ontem.
É o que dizem na terra onde ninguém mais se fala.

Espanglês – porque não existe isso na minha língua.
Trademarks – porque todos os signos adoráveis já foram patenteados.

Serei seu novo vizinho analfabeto,
sua língua roubada,
o medo das lanças nos portões,
a covardia de uma assinatura num contrato.

Seduzido nos seus decotes criptografados da minha retina fora de moda.
Sufocado em dígitos, reduzido, binário.

Me sinto uma versão beta construída por estudantes primários fascinados por orgias que nunca participaram.

Serei essa voz de longe arquitetada em sonhos vis.
Essa é minha carta do meu eu de ontem.
Esse é o meu poema mais ultrapassado.

Ir ao post original

Ninguém me Representa

24/06/2017 Gritos do Nada

Nenhum me representa
Só eu falo por mim
E o que se apresenta
Hoje é o começo do fim

E de quase tudo que falei
Só do silêncio me arrependo
Pois as palavras que não usei
Tem quase tudo que entendo

E se você confia neles
Você os merece então
Minha raiva é contra eles
Os velhos donos da nação

Se você os quer defender
Que faça isso mesmo
Prefiro não me comprometer
E poder criticar a esmo

E cada um que não desafia
O poder de um coronel alado
E prefere, mansinho, a covardia
De xingar quem mora ao lado

É alguém que nem merece
O tempo de um insulto
Pois só de pensar me aborrece
O tanto que és inculto

Melhor perder meu tempo
Em outro livro, outra história
Me alimentar no vendo
De um futuro, enfim, de glória.

Ir ao post original

Recordar é viver

03/05/2013 Colunas - Zumbido Fugaz

Promessas de fim de ano

Hoje meu chefe chegou e me chamou… -Hey, me ajuda a escolher uma imagem para a divulgação da festa para o dia dos namorados? -Dia dos namorados? Oh sim, já estamos no início de maio e já temos que começar a pensar na propaganda para esse dia dos namorados que só comemora-se por aqui, nesse […]

Leia mais…

29/11/2011 Gritos do Nada

Rotina – Parede da Cozinha

E se a parede da cozinha visse ou ouvisse Sentiria inveja dos suspiros, dos beijos? Diria que nosso amor é nosso esconderijo E que sem isso talvez eu não existisse? Me sorriria compreensiva, enquanto arrumo a blusa? Riria conosco das piadas bobas que contei? Repetiria, invejosa, entre dentes as juras que falei? E olharia de […]

Leia mais…

02/09/2013 Sonhos Viciados

Tão originais III

Mais um porre, mais uma descoberta Outra cerveja, uma outra verdade Eles tem tamanha dificuldade Em deixar a porta aberta… Os meus pais me ensinaram a mentir Quando a moça do telemarketing ligava Eu dizia que ninguém se encontrava Tinha algo engatilhado para partir. […]

Leia mais…

20/10/2010 Colunas - Sonhos Viciados

Existe um lugar para se morrer

Eu comi um lanche velho e gordurosorevesti meu estômago com uma pinga envelhecidaem estantes empoeiradas e garrafas milenares. Meus olhos travam na dança de putasque se perderam nos dias e no requinte da sujeiraNo embalo de uma Jukebox que insiste em tocar hits Paraenses. Pensei num modo voraz,de descrever as vadias,de alertar as crianças. Pensei […]

Leia mais…

23/06/2012 Gritos do Nada

Não importa

Não importa… importam seus lábios e os meus… Não importa… importam sua pele e a minha… Não importa… importa seu cabelo e meu suor… Não importa… importa nosso amor e nosso tempo que não se acaba… […]

Leia mais…

16/10/2012 Zumbido Fugaz
Foge de mim nativo de Marte Que me embebeda de vontades

Foge

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: