03/02/2014 Sonhos Viciados

Piazzas I

Hélio Oiticica beija minha mão esquerda enquanto eu tento esconder opiáceos dos guardas e malandros dessa rua antiga e sem dono. Me escondo nos paralelos invisíveis da tua língua morta sem tradutores e dicionários. […]

Leia mais…

Continue lendo
26/09/2015 Gritos do Nada

Vidraça

Não serei mais vidraça pro seu grito de guerra Nem admitirei ser fraco ou omisso Aqui quem fala é que nunca espera É quem fez de verdade da luta compromisso. Não aceito seu preconceito descabido Sua neura e sua falta de argumento Me deixe então com meu livre arbítrio! Já que não me é possível […]

Leia mais…

Continue lendo
18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

Continue lendo

Recordar é viver

10/05/2013 Colunas - Zumbido Fugaz

Júlia

Eu escrevia um artigo sobre como prestar os primeiros socorros para cães e gatos, algo meio estranho que meu chefe solicitou, mas muito útil. Então me surgiu a dúvida: excessão ou exceção? Talvez nunca tenha escrito essa palavra, pois nunca fui um cara de exceções, mas sim um cara normal que estava estudando medicina veterinária […]

Leia mais…

13/04/2011 Colunas - Sonhos Viciados

C(h)eia de Dentes

Todos rodeiam a ceia.Com dentes a mostra,meio corcundas e ariscos. Todos rodeiam a ceia.Como hienas.Sorrateiros. As moças e seus olhares inocentes,os homens e seus musculos relaxados.Todos imersos em seus erros,encobertos com suas sujeiras. Já esperam o pior das suas companhias.Exalam veneno e enchem a cara. Escorpiões estrangeiros preparam o seu raboem serpentários malignos Como travestis […]

Leia mais…

28/08/2013 Gritos do Nada

Tudo normal?

São 19hs e lá fora todos correm e de novo tá um caos O mesmo que estava ontem e com certeza amanhã As ruas estão lotadas e sujas e parece até normal Ver um bêbado no chão que esperando o sol da manhã Mendigos colhem pelo chão sujo restos de um jornal Seus cobertores! Mas […]

Leia mais…

16/07/2013 Gritos do Nada

No vermelho do Farol

Ela vendia balas no vermelho do farol No verde lembrava ser criança E ninava a boneca suja da calçada No balé terrível das balas e chocolates A bailarina sujinha corre sorrindo entre carros Não saber da sua desgraça deve ter a sua graça Desvio o olhar enquanto alguns dão moedinhas Se pudera dava-te o mundo […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

16/01/2014 Coletivo

Coletivo Dois Três – O ônibus e os caminhos sem volta

Estico o braço e o ônibus para. Embarco no opaco viver do ônibus vazio, Percebo que deveria ter te olhado mais Pois não guardei como queria Todos os seus tracos, palavras e birras Me despedi como quem ia ver no outro dia […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: