18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

Continue lendo
03/02/2014 Sonhos Viciados

Piazzas I

Hélio Oiticica beija minha mão esquerda enquanto eu tento esconder opiáceos dos guardas e malandros dessa rua antiga e sem dono. Me escondo nos paralelos invisíveis da tua língua morta sem tradutores e dicionários. […]

Leia mais…

Continue lendo
26/09/2015 Gritos do Nada

Vidraça

Não serei mais vidraça pro seu grito de guerra Nem admitirei ser fraco ou omisso Aqui quem fala é que nunca espera É quem fez de verdade da luta compromisso. Não aceito seu preconceito descabido Sua neura e sua falta de argumento Me deixe então com meu livre arbítrio! Já que não me é possível […]

Leia mais…

Continue lendo

Recordar é viver

04/05/2011 Gritos do Nada

Escuro Demais (Tentativas de novos temas)

Era escuro demais pra ti e pra sua pele branca e seus olhos iluminados… Era tempo demais pra mim, que tenho vivido demais e me jogar tem sido parte do jogo E ver você, no escuro perdida, é assistir ao fim chegando logo… […]

Leia mais…

01/10/2014 Gritos do Nada

Sou parte pendente

Sou parte ausente Sou parte e sou frente […]

Leia mais…

14/03/2015 Sonhos Viciados
Minha janela nesse domingo entrará em retiro espiritual. É dada a hora de outras bandeiras tremularem e não às minhas. Por isso fecho a janela do mundo e me recolho com certo constrangimento.

Camiseta negra. [O dia que não sai de casa]

14/10/2011 Backstage

Modernidade dá nessa

Sexta-feira e um nada de cerveja. A juventude se encontra nos bares e cantos que cabem risos e eu tô nessas de ficar em casa mexendo no celular, no mais puro ato de virgindade e bom mocismo. No fim é só um desses mantras que todo se dá ao luxo certas vezes. No geral dei […]

Leia mais…

19/07/2013 Gritos do Nada

Ya no queda nada

Não conheço mais ninguém que queira ouvir minha história A tristeza, já distante na memória, confunde real e surreal Então abro a garrafa e misturo o álcool a tudo Aos sucos, as dores, as histórias e a gelo, muito gelo Pra ficar frio como era ela… como era… E ainda é, e ainda lembro e […]

Leia mais…

01/07/2011 Colunas - Sonhos Viciados

Discos velhos, amor perdido. A gente escolhe o que quer ser

Escolhi um dos discos velhos que estão na estante, Empoeirada – sempre.Barulhento – as vezes. Botei pra tocar e esse era bem barulhento, juvenil. O Kiss da minha geração. Não era fuga nem nada, foi só pra deixar claro que já tô sacando essa da vida. Ainda não fui convencido a entrar no jogo e […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: