26/09/2015 Gritos do Nada

Vidraça

Não serei mais vidraça pro seu grito de guerra Nem admitirei ser fraco ou omisso Aqui quem fala é que nunca espera É quem fez de verdade da luta compromisso. Não aceito seu preconceito descabido Sua neura e sua falta de argumento Me deixe então com meu livre arbítrio! Já que não me é possível […]

Leia mais…

Continue lendo
18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

Continue lendo
03/02/2014 Sonhos Viciados

Piazzas I

Hélio Oiticica beija minha mão esquerda enquanto eu tento esconder opiáceos dos guardas e malandros dessa rua antiga e sem dono. Me escondo nos paralelos invisíveis da tua língua morta sem tradutores e dicionários. […]

Leia mais…

Continue lendo

Recordar é viver

01/02/2011 Colunas - Gritos do Nada

Gosto de cigarro

Gosto de cigarrocheiro de cigarro…Nas roupas, no cabelo,nas mãos, nos dedos… O cigarro na mão aos poucos queimaE é sulgado com a vontade que nós sulgamos a noiteE como nós se desfaz pelas bocas… Fascina-me a fumaça, que dança e some.Livre no ar. No fim é um dêmonio.Que entrega prazere como troco lhe rouba uns […]

Leia mais…

26/04/2012 Colunas - Sonhos Viciados

Todo começo é fantasia ou mais uma história de amor

No inicio era o caos, Há quem diga escuridão. Sem exageros. Todo começo é fantasia. 1. O nosso foi uma festa de máscaras e mistérios. Um começo de cortinas vermelhas e bebida. Uma folia sem samba, mas com todos os requisitos. 2. Encontros a meia noite. Ligações demoradas. Encontros de brincadeira, nem lembro o filme […]

Leia mais…

26/09/2011 Gritos do Nada

Ela, uma saudade inquietante

Sentou sozinho na praça Ele, um homem qualquer Abriu a garrafa, quase vazia No fim do dia, lhe resta o beber O vento castiga o rosto No bolso a foto amassada Nos lábios ainda o gosto De perder e não ter mais nada Segura a esperança e o choro Não convém chorar sem ombros Pende […]

Leia mais…

11/09/2009 Colunas - Gritos do Nada

*Dez06/+Jan07 – Nem gosto de Whisky

Eu sigo sozinho… chorando e sofrendo, um que idiotaDigo que estou bem… mas meu rosto molhado não me deixa mentir Caminho na rua… de bar em bar eu tendo sorrir…Mais uma dose… mais umas doses…É sempre pouco pra esquecer… Filho da Puta!!! Espinho que causa tanta dor…Despejo o meu lamento… despejo todo o meu rancor…Mas […]

Leia mais…

19/01/2012 Gritos do Nada

Sem escrever! (Ou como escrever sobre nada!)

Fiquei sem aparecer muito tempo né? Eu me dei umas férias, na verdade não me dei, as férias me tomaram. Não que eu não tenha sentido falta de sujar com minha maltrapilha letra o fundo branco do site, mas fiquei um dia, depois dois, três, e quando me dei conta estava a mais de 10 […]

Leia mais…

31/07/2011 Gritos do Nada

Na volta!

E na volta da lua ou do olhar No trânsito suicida da rua Entre as lágrimas do céu. Perdido Na chuva, na rua, no viver. Domado […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: