18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

Continue lendo
26/09/2015 Gritos do Nada

Vidraça

Não serei mais vidraça pro seu grito de guerra Nem admitirei ser fraco ou omisso Aqui quem fala é que nunca espera É quem fez de verdade da luta compromisso. Não aceito seu preconceito descabido Sua neura e sua falta de argumento Me deixe então com meu livre arbítrio! Já que não me é possível […]

Leia mais…

Continue lendo
03/02/2014 Sonhos Viciados

Piazzas I

Hélio Oiticica beija minha mão esquerda enquanto eu tento esconder opiáceos dos guardas e malandros dessa rua antiga e sem dono. Me escondo nos paralelos invisíveis da tua língua morta sem tradutores e dicionários. […]

Leia mais…

Continue lendo

O passado trás presente

18/08/2016 Zumbido Fugaz

O seu nome ecoa na minha mente
Como o sino que insiste
Em avisar sobre a missa das 18h

O seu corpo comprime meus anseios
Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos

Quando eu te vejo chegar um carro bate
E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que vejo

Não posso dizer que você é diferente
Todo ser tem as suas opções de ser
Você é a particularidade que eu escolhi

Quando sinto você vir passear
De mãos atadas em mim
E corpo indefeso
Eu entendo, o único sentido é te sentir.

Ir ao post original

Recordar é viver

28/03/2013 Gritos do Nada

Das raras mulheres…

Ela diz que está esquecendo… que superou Fácil perceber que fingir não é seu forte Descobrimos bem rápido a verdade Dentre as lágrimas que escorrem Ela pede pra sair, quer se encontrar ou se perder Mas em qualquer balada procura onde se sentar Do escuro da pista o som vem e faz doer E nos […]

Leia mais…

22/07/2013 Backstage

Novidades em 3, 2, 1…

[…]

Leia mais…

15/07/2013 Gritos do Nada

Café com carne e poesia

Você tinha gosto de poesia com café… contenta, mas não sustenta Flutuava, como a fumaça que saia do copo… vejo mas não entendo Sentia seu sabor no ar, quase morria… e seu toque é que me esquenta Te sorvia como quem puxa o ar… estou cheio de ti, e não me contento Esperei o fim […]

Leia mais…

12/06/2013 Gritos do Nada

Das nossas bocas

Eu ouvi suas reclamações saltarem da sua boca! E pra te calar te beijei com força até ficar louca. Sintindo o quente da língua, e o morno da carne… Nada queima na real, mas a vontade arde Entrelaçou os dedos por trás da minha nuca E permitiu perder-me em ti, em cada curva Mergulhei com […]

Leia mais…

29/06/2011 Colunas - Gritos do Nada

Arrumar palavras…

Ainda tenho coisas a dizer?Olhei hoje para essa tela branca…E me perguntei, sinceramente:O que ainda falta falar? Passei e sei que ainda vou passarMuito tempo escrevendo e a escreverA minha grande dúvida agora é?O que porra ainda tenho a dizer? Ah… e tem essas estrofes estranhas que me permito fazerSei que as vezes parece que […]

Leia mais…

19/07/2012 Colunas - Sonhos Viciados

Entropia sufocada

Dia vagaroso Que encaro o sol vencendo meu corpo cansado Luz e sombra numa dança silenciosa e esquizofrênica. Meu corpo forma um halo com a ajuda da fumaça do meu haxixe e pela poeira do meu velho apartamento. Dá pra ver a ação do vento, entropia & poeira na sala de estar. O sol revela […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: