Axioma de um coração em coma II

Sorriso aberto para caras fechadas Ele não via nada quando olhava pra todos Mentia nas cores dos tênis Chorava no gel do cabelo Fingia milhares de amizades na tela azul e branca E nos beijos desesperados das noites perdidas de sábado Nunca sozinho… sempre solitário Nunca vazio… sempre perdido Esquentava sua mão entre as pernas […]

Leia mais…

Perdido

Perdeu o sonho ao acordar assustado pra vida Viu ficar sem saída seu esquecido impeto da infância Deixou morrer sedenta e calada sua esperança E em coma ficaram suas velhas lembranças E atrás de cada não, de cada agonia de fim de dia Por baixo do sorriso mole que se faz com cerveja […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: