18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

Continue lendo
03/02/2014 Sonhos Viciados

Piazzas I

Hélio Oiticica beija minha mão esquerda enquanto eu tento esconder opiáceos dos guardas e malandros dessa rua antiga e sem dono. Me escondo nos paralelos invisíveis da tua língua morta sem tradutores e dicionários. […]

Leia mais…

Continue lendo
26/09/2015 Gritos do Nada

Vidraça

Não serei mais vidraça pro seu grito de guerra Nem admitirei ser fraco ou omisso Aqui quem fala é que nunca espera É quem fez de verdade da luta compromisso. Não aceito seu preconceito descabido Sua neura e sua falta de argumento Me deixe então com meu livre arbítrio! Já que não me é possível […]

Leia mais…

Continue lendo

Ninguém me Representa

24/06/2017 Gritos do Nada

Nenhum me representa
Só eu falo por mim
E o que se apresenta
Hoje é o começo do fim

E de quase tudo que falei
Só do silêncio me arrependo
Pois as palavras que não usei
Tem quase tudo que entendo

E se você confia neles
Você os merece então
Minha raiva é contra eles
Os velhos donos da nação

Se você os quer defender
Que faça isso mesmo
Prefiro não me comprometer
E poder criticar a esmo

E cada um que não desafia
O poder de um coronel alado
E prefere, mansinho, a covardia
De xingar quem mora ao lado

É alguém que nem merece
O tempo de um insulto
Pois só de pensar me aborrece
O tanto que és inculto

Melhor perder meu tempo
Em outro livro, outra história
Me alimentar no vendo
De um futuro, enfim, de glória.

Ir ao post original

Recordar é viver

16/05/2011 Colunas - Gritos do Nada

Sábado no Shopping

Mármore no chãoNo chão os sapatosInfelizes segurançasDe ternos engravatados Lojas abertasAberta a temporadaDe caça ao preçoPreço que acha bom Coloridos lojistasDe polo, suadosNum sábado lotadoSem opção! Ar-condicionadoCondicionado fulgorDos dias perdidospobres dias sem amor Cartão de crédito ou débito?Pra presente? Pode embrulhar?Parcela em 5! Leva um pro seu filho! Aceita cheque?Faz o cadastroDo consumo isso é […]

Leia mais…

28/01/2014 Gritos do Nada
Me joguei em cada esquina, fui perdido, mas fui achado.

De repente um mote: Vá plantar o seu roçado! (Com o Cândido na cabeça)

21/11/2011 Zumbido Fugaz

As conclusões

Apego tão ardente de um desejo desenfreado que não é controlado desejo que só é crescente. Músicas serão compostas um agir todo desenhado nem um pouco alinhado numa mistura de apostas. Beijos que são roubados os dedos ficam dançantes brincam tão delirantes dois corpos alados. Encanta essa incerteza adormece nossa razão deixa tudo em incompreensão […]

Leia mais…

27/11/2011 Backstage

Desafio I – Queremos saber

Pessoal a brincadeira é simples. Você escolhe um tema que quer ver aqui no Prascucuias. Pode ser o tema que mais te agrada, que mais te inspira, que mais gosta de ler ou até o mais estranho pra botar todo mundo aqui na fogueira. O mais votado entra para redação do Prascucuias e os colunistas […]

Leia mais…

01/11/2013 Zumbido Fugaz

A musa eterna do velho poeta embriagado

”[…] Eu sou uma caçadora, ele é o meu revólver…” (Johnny Guitar) Ela colheu as flores sangrentas dos livros cheios de história Ela dançou exibindo um sabor de morangos adocicados Ela levantou as mãos para em aplausos exuberar Ela cantou: ” Hello Daddy, hello Mom I’m your ch ch ch ch ch cherry bomb” […]

Leia mais…

27/03/2017 Gritos do Nada

Me reencontro a cada esquina

Seguro dos erros Dos acertos? Inseguro Me iludo nas palmas Me escondo? Me desnudo. […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: