18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

Continue lendo
26/09/2015 Gritos do Nada

Vidraça

Não serei mais vidraça pro seu grito de guerra Nem admitirei ser fraco ou omisso Aqui quem fala é que nunca espera É quem fez de verdade da luta compromisso. Não aceito seu preconceito descabido Sua neura e sua falta de argumento Me deixe então com meu livre arbítrio! Já que não me é possível […]

Leia mais…

Continue lendo
03/02/2014 Sonhos Viciados

Piazzas I

Hélio Oiticica beija minha mão esquerda enquanto eu tento esconder opiáceos dos guardas e malandros dessa rua antiga e sem dono. Me escondo nos paralelos invisíveis da tua língua morta sem tradutores e dicionários. […]

Leia mais…

Continue lendo

Recordar é viver

23/01/2012 Gritos do Nada

Raiva Indômita!

Eu nunca fui melhor! E não faço ideia se um dia serei… Tenho vontade apenas de caminhar De olhar nos seus olhos e dizer que “amei” Perder tempo com discussão e repulsa Encher a boca pra gritar “filho da puta” Não ligo dos verbos virem no passado Ultimamente só quero conjugar o verbo vingar Não […]

Leia mais…

10/12/2014 Sonhos Viciados

Alegria, alegria

Caminhando na cidade sem espelhos Sem vitrines, sem ofertas, sem sinais. Só lembranças de beijos, tardes de sossego, vida certinha querendo ser rock’n’roll. Cantando na cidade de crianças sem olhos, escrevendo nas camisetas desespero. Não é filme de horror. A cavalaria aponta a espada pra garganta das senhoras de olhos negros. Olho fosco, nenhum brilho […]

Leia mais…

03/10/2014 Sonhos Viciados

Princípio fundamental da dinâmica

Eu e meu amigo comendo uma bíblia com páginas douradas para cagar ódio e segregação. Sentados no telhado de um puteiro sem festa, com moças de família e diplomados com os cus cheios de pó. […]

Leia mais…

31/12/2011 Colunas - Sonhos Viciados

Se destino existe ele é um taxista nas madrugadas

Conversas com taxistas na madrugada Destino: Uma terra longe daqui. Das noites perdidas entre o desencontro Das nossas mãos e dos carros na rua Dos cantos que só a gente sabe Bem sabe, eu sei. Apaguei hoje outra memória, Dos cantos que a gente inventou. Se cupido existe, o meu é um bêbado Se destino […]

Leia mais…

16/05/2012 Gritos do Nada

Cinemas na Ipiranga

Nunca vi uma pornochanchada… Dos heróis cheios de palavrão Eu mesmo nunca entendi esse facínio Com o cinema do mundo cão Pornochanchada só me lembra decadência! Tiozinhos estranhos nos cinemas da Ipiranga As putas distribuindo sorrisos e panfletos Eu, garoto ainda, puxando meu pai pela camisa Pornochanchada me lembra Sete Anões… E um Tarcisio Meira […]

Leia mais…

26/07/2012 Colunas - Sonhos Viciados

Simulando senoides pela manhã

Hoje olhei pra larva que se contorce no banheiro. Simulando senoides nas redondezas do ralo. Deve achar uma delícia a água que escorre da ducha quente. Se contorce na luz gostosa da manha. Olhei com inveja pro verme cheio de vigor. Estou exausto, frívolo, inerte. Mudo e carcomido pela rotina devastadora. Ela cheia de vida […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: