18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

Continue lendo
26/09/2015 Gritos do Nada

Vidraça

Não serei mais vidraça pro seu grito de guerra Nem admitirei ser fraco ou omisso Aqui quem fala é que nunca espera É quem fez de verdade da luta compromisso. Não aceito seu preconceito descabido Sua neura e sua falta de argumento Me deixe então com meu livre arbítrio! Já que não me é possível […]

Leia mais…

Continue lendo
03/02/2014 Sonhos Viciados

Piazzas I

Hélio Oiticica beija minha mão esquerda enquanto eu tento esconder opiáceos dos guardas e malandros dessa rua antiga e sem dono. Me escondo nos paralelos invisíveis da tua língua morta sem tradutores e dicionários. […]

Leia mais…

Continue lendo

Ninguém me Representa

24/06/2017 Gritos do Nada

Nenhum me representa
Só eu falo por mim
E o que se apresenta
Hoje é o começo do fim

E de quase tudo que falei
Só do silêncio me arrependo
Pois as palavras que não usei
Tem quase tudo que entendo

E se você confia neles
Você os merece então
Minha raiva é contra eles
Os velhos donos da nação

Se você os quer defender
Que faça isso mesmo
Prefiro não me comprometer
E poder criticar a esmo

E cada um que não desafia
O poder de um coronel alado
E prefere, mansinho, a covardia
De xingar quem mora ao lado

É alguém que nem merece
O tempo de um insulto
Pois só de pensar me aborrece
O tanto que és inculto

Melhor perder meu tempo
Em outro livro, outra história
Me alimentar no vendo
De um futuro, enfim, de glória.

Ir ao post original

Recordar é viver

30/10/2013 Gritos do Nada

Destestar amar

Quis sentir ódio dos dias cinzentos quando sai da cama Menti meus sorrisos e bom dias, pra não estragar mais o dia Passei pelos fantasmas que correm pelas ruas pro trabalho E imaginei se invejam a mendiga dançando e cantando na calçada […]

Leia mais…

24/02/2012 Gritos do Nada

Conto Carnavalesco – Homem da Meia Noite

Como posso estar tão cansado ainda no sábado de carnaval? A resposta certa é com certeza a quantidade de bebida e a longa viagem de Porto de Galinhas à Olinda, mas a resposta que gosto de usar é a falta de amor e de beijos que me assolam nesta atual festa da carne… pra não dizer que fiquei […]

Leia mais…

28/04/2011 Colunas - Sonhos Viciados

Joan Jett do agreste

Faz tempo que perdi a habilidade de escrever as meias poesias que tantas vezes me convenci que eram boas. Faz tempo que ela ia no bar e ria comigo.E pensando nisso, hoje fiquei, no banco, solitário, alto nas minhas garrafas de cerveja. No mesmo bar esquecido, que nem ela e nem eu voltou mais. Só […]

Leia mais…

28/07/2013 Zumbido Fugaz

4 – Lua

Tá gelado e eu não consigo me mover a sua beleza promove o efeito estátua em mim. Seu jeito nunca está ultrapassado Anos 50, 60, 70… E todos continuam a se contorcer contigo é tanto mistério envolvido numa brancura descabida. […]

Leia mais…

11/08/2012 Gritos do Nada

O destino era longe II

O destino é o amanhã que não chega… Um horizonte infinito a nossa frente. O destino é um indecifrável segredo Mas um segredo que todos conhecem O destino é uma meia verdade Quando não dá certo vira mentira Um futuro pra além da nossa idade Preso em outra vida, em outro dia É isso!   […]

Leia mais…

05/04/2013 Colunas - Zumbido Fugaz

Acabou?

Será que tem algo mais produtivo do que ficar aqui comendo chocolate? Ligo a teve e eis um comercial de guarda-roupa de casal, no ponto certo, isso me lembra você. Planejávamos tão ardentemente felizes nossa vida conjugal, nos beijávamos nas lojas de móveis experimentando cada colchão deitando-nos um ao lado do outro. Você se preocupava […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: