Sublime e mundano!

09/10/2011 Coletivo

Você é meu fogo e emoção
Não pode ser melhor ficar sozinho
Brinca com o ódio e com a mão
Faz de mim seu brinquedo, seu caminho

Paro na sua pela macia, nas suas coxas
E é entre elas que quero sorrir
Faz essa cara meiga, de pura moça
Em pensamento estou a lhe despir

É meu amor mais carnal e profano
Um tipo de santa que quero ter
Estranho esse amor sublime e mundano
Que com a raiva aumenta meu querer

Entre os sussurros e gemidos se escuta
Eu te amo, eu te amo… quero você
Como dominar o sentimento filho da puta?
Que me faz voltar, não importa pra onde correr?

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

2 thoughts on “Sublime e mundano!

  1. Oi, Thiago 🙂 Você escreve muito bem! O que me chamou atenção foi esse trecho: “Entre os sussurros e gemidos se escuta
    “Eu te amo, eu te amo… quero você”
    Ou seja, ele disse que amava a moça DURANTE o sexo. É como se, antes disso acontecer, ele ignorasse os sentimentos de amor para com ela, embora os reconhecessem PARA SI MESMO nesse trecho: “É meu amor mais carnal e profano”.
    Essa foi a descrição mais real de um amor sublime e mundano que eu já li. 😀

    Adicionei o link do teu blog no Cinema & Literatura.
    Vou aparecer por aqui regularmente.

    Ótimo texto!

    Bjs 😉

    1. Oi!!

      Agradecemos querida!!
      É estranho quando alguém disseca o que a gente escreve! Mas foi ótimo, uma visão sobre o que escrevemos é sempre ótima!

      Visite sempre! E estaremos sempre vendo o seu também!

      Beijos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

09/06/2014 Coletivo

Nus e Perdidos

Vou sair essa noite Pela rua e de mim mesmo Vou ser outro essa noite Desconhecido sair a esmo Desfaço os nós dos seus dedos Chupo seus lábios em flor Me dobro e te domino o desejo Façamos um de nós sentir dor […]

Leia mais…

05/02/2014 Coletivo

Coletivo Dois Quatro – Meu Pecado Solar

Estou aqui para você Como o girassol para o sol Mesmo sofrendo queimando Minha face sempre estará voltada para ti! Seu calor me aquece, mas queima Como minha pele quando te toco Me derreto nos seus braços… Mas é você que escorre pelos meus dedos […]

Leia mais…

16/01/2014 Coletivo

Coletivo Dois Três – O ônibus e os caminhos sem volta

Estico o braço e o ônibus para. Embarco no opaco viver do ônibus vazio, Percebo que deveria ter te olhado mais Pois não guardei como queria Todos os seus tracos, palavras e birras Me despedi como quem ia ver no outro dia […]

Leia mais…

06/01/2014 Coletivo
Todos meus poetas favoritos estão presentes / Alguns vivos, outros mortos, uma parcela perdidos.

Coletivo Dois Dois – Meu Velório

30/09/2013 Coletivo
Não se salva um condenado pelo destino de luxúria.

Coletivo Dois Um – Cafajeste com Sorriso no Rosto

15/04/2013 Coletivo

E brindaremos mais uma vez aos dias dourados. O verão dos nossos corações.

Queria ter uma ode aos 20 anos… mas eles por si só são uma ode! Uma ode a vida, aos erros, as incertezas e a brusca, e as vezes imensurável, alegria de simplesmente viver… […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: