Minhas Mentiras X Minhas Verdades

05/12/2011 Gritos do Nada

Já ouvi todas as mentiras já…
E acreditei num milhão delas
Eu perdi muitas vezes a medida
De saber qual verdade é sincera

Já ouvi as mentiras sim, mas também as contei
E só fui sempre sincero na raiva das ofensas
Não espero que entende as coisas que passei
Mas também não tô nem ai pras suas crenças!

Esperei até o último segundo
Fui fiel até a última saída
Já fui traído por esse mundo
Mas não deixei ver as lágrimas caídas

Já me joguei em copos de cerveja
E em minúsculas doses de esperança
Já cansei também de ter certeza
Nunca desejei mesmo ter uma vida mansa

Já gritei na cara dos inimigos:
“Filho da puta! Vem pra cima!”
Também já me joguei nos porres dos amigos
E acordei jogado numa esquina

Nunca procurei que tenham pena
Sempre preferi que tenham inveja
Não nasci pra ser uma figura amena
Estou aqui pra a vida que se deseja

Troquei socos no ar com qualquer um
Nunca medi o tamanho do inimigo
Não sai de nenhuma briga sem ser carregado
Balançando as pernas e gritando palavrão!

Sonhei um mundo melhor e mais justo
Lutei a luta adolescente por isso
Já achei que panfletos mudavam tudo
Mas fui sincero em cada vez que gritei!

Ah como quis palavras de ordem pra gritar!
Mas hoje a única causa a ser salva é a vida
Cansei de ser o sonhador a lutar
Uma luta que quase sempre é perdida

Mas ainda tenho as esperanças todas
Do moleque petulante encarando novidades
Mas não luto e nem desejo coisas bobas
E só entro numa briga se for por sinceridade

Não amei ainda tudo que podia
E tenho ainda ódio de montão!
Não eu não perdoo e sou vingativo
Não deixarei de ser eu pra ser bom…

Sabe aquele que sempre ri no final?
O filho da puta ganhando ou perdendo?
Que diz com gosto um não na sua cara
E ri de ver você chorando e correndo?

Sabe o cara que parece saber tudo?
Que finge tão bem que parece mesmo…
Que sua petulância parece ser a certeza
De que é realmente bom de verdade…

Sabe o cara bebendo na mesa ao lado?
Que ri alto e gesticula?
O que parece precisar de toda atenção?
E esse cara nem parece ser uma pessoa insegura

Sou todos esses caras e o tempo todo
Mas sou também o caladão soturno
Que senta sozinho no fundo do ônibus
Que tem medo de ligar e vergonha de perguntar

Na real sou só esse cara com a mão no teclado
Das histórias curtas e engraçadas
Sou só esse cara de jaqueta e moto
E ser esse cara, perdoem-me, é ser foda!

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

26/08/2020 Sonhos Viciados
O que será que leva dentro? O suor triste do operário?

Uma piñata feita com uma mochila Rappi

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: