Sem escrever! (Ou como escrever sobre nada!)

19/01/2012 Gritos do Nada

Fiquei sem aparecer muito tempo né?

Eu me dei umas férias, na verdade não me dei, as férias me tomaram. Não que eu não tenha sentido falta de sujar com minha maltrapilha letra o fundo branco do site, mas fiquei um dia, depois dois, três, e quando me dei conta estava a mais de 10 dias sem produzir sequer uma linhazinha… e isso me preocupou!

Sentei diversas vezes com o meu querido netbook (que chamo de Polaco, por ser branco) no colo e não saia da primeira estrofe, da primeira frase, as vezes terminava o primeiro parágrafo, mas achava uma bosta, dava Ctrl+T e Del e tentava de novo.

Foi terrível! Não saiu nada! Resolvi que ia deixar as coisas fluírem naturalmente, que algo ia acabar chegando até minha cabeça e eu ia escrever… não vinha porra nenhuma!

E eu ficava tentando transformar qualquer frase em cosia melhor, se liguem como é:

Digo uma frase qualquer, por exemplo “O mundo é uma caixa, muito larga e muito baixa” ela é ruim, claro que sei que é, mas tenho que começar de algum lugar!

Então parto para possíveis complementos: “De onde você foge, ou então você se encaixa!”… claro que achei horrível!

Então deletei… mas pensei: “Porra! É assim que faço sempre!” E fiquei pensando que, enfim, acabou a fonte! Não que eu seja um puta de um poeta, mas sempre escrevi muito, então achei que cheguei no meu limite, e pensei: “O negócio então é escrever crônicas!”

Ledo engano, nada saia também (ai fiz essa malandragem de escrever sobre a falta de escrever). Que tá indo bem, como perceberam o texto é fluído, tem humor e tals…

Mas ai me veio isto:

Lhe digo: Não tenha medo da morte!
Mas por favor: Tenha vontade de viver!
Já que sabemos que viver é ter sorte
E também já temos a certeza do morrer!

E, quer saber, foi péssimo também! A estrofe é boa, claro que é, mas ai, terei eu como terminar? Será que escaparei da travação e continuarei? Sei lá amigos!

Sei que, ainda assim, escrever é a parte mais divertida de tudo que faço, e se vocês sentirem pelo que escrevo um décimo do que sinto quando escrevo já estarei satisfeito!

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

2 thoughts on “Sem escrever! (Ou como escrever sobre nada!)

  1. Você escreve bem e escreve porque gosta. Isso é o mais importante. A gente percebe isso sim. 🙂
    E esse texto ficou ótimo. Acho que todo mundo que tem o hábito de escrever, já se identificou com essa situação.

    Bjs 😉

    1. Ah que bom que é perceptível! rs

      Fazia tempo que não tinha dessas crises, mas quando vem me leva tudo.

      Já estou voltando a produzir com mais facilidade, acho que o fim do ano e toda a preguiça que ele traz me deixou assim!

      Ficar sem inspiração faz parte, as musas, como tudo que tem alma feminina, as vezes nos abandona só pra mostrar o quanto são importantes pra nós! rs

      Beijos e obrigado querida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

26/08/2020 Sonhos Viciados
O que será que leva dentro? O suor triste do operário?

Uma piñata feita com uma mochila Rappi

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: