Condicionamento para corações sedentários

29/04/2013 Sonhos Viciados

Encaro um coração aflito empunhando um copo de café amargo e frio como se fosse uma afiada espada. Sem escudo. Quando se ama não se tem seguro. Encaro um pequeno músculo do tamanho de um pulso fechado. Corpo fechado, quando se ama não tem escudo.

Esses dias eu a vi com outro no instante de um eu te amo solto. Apoiava os pulsos em seus ombros ensaiando um enlace no pescoço. Um quase abraço.

Dizia um cotidiano, pausado e despretensioso, eu te amo para outro rapaz. Segui a curva, meu caminho, como quem finge que não vê e torce para não ser visto.

Fiquei feliz por saber que o amor acaba e que nossas maldades se reciclam. Amar é não ter escudo, estilete com veneno. Corações preguiçosos não vivem, sinta a carne destroçando, o veneno pode ser saboroso.

Um cara entre vielas cheias de gente e ônibus lotado. Que se perde em alguns bares e se põe a ver a velocidade dessa gente. E rir da estupidez dessa lógica.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

26/08/2020 Sonhos Viciados
O que será que leva dentro? O suor triste do operário?

Uma piñata feita com uma mochila Rappi

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

12/09/2017 Sonhos Viciados
Me sinto uma versão beta construída por estudantes primários fascinados por orgias que nunca participaram.

Esse é o meu poema mais ultrapassado

07/09/2016 Sonhos Viciados

A herança de todos os miseráveis

Eu carrego comigo: coragem, dinheiro e bala. Já disse um poeta, já disse um deputado. Você escolhe o palco da vida ou a Bancada da bala? […]

Leia mais…

25/07/2016 Sonhos Viciados

Frases de uma palavra só III – Eu sei

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: