A crueldade do espelho ou meninos fazendo a barba.

06/06/2013 Gritos do Nada

Tomei um soco!
Metafórico, pois o meu espelho não é capaz disso… Aliás, ele é capaz apenas de me mostrar meu próprio rosto e nisso ele é bem cruel!

Voltando ao soco, metafórico, ele me foi dado quando vi, pela primeira vez, o meu primeiro fio branco de barba da minha vida!

Foi terrível!

Alisava a barba, na vã tentativa de penteá-la, e do lado direito do meu rosto, na mesma altura do meu lábio inferior vi um impávido fio branco!! Destacando-se contra o fundo preto formado pelos outros pelos…

Veio a mente a primeira barba, que nem barba era na verdade.
Uma “relva” de alvos pelos quase transparentes que, aos 12 anos, achei por bem raspar. Sem nenhuma experiência e com vergonha da tiração de sarro que meu pai faria quando eu pedisse pra ele me ajudar, entrei no banheiro, tranquei a porta e me encarei no espelho: ninguém mais, além de mim,  para “ver” aquela barba!!

[quote_left]Minha mulher logo sugeriu arrancar o pelo! Achei a solução drástica (e claro que não quero sentir essa dor!)…[/quote_left]Abri o armarinho e peguei a “bic” com a qual meu pai fazia sua barba. Aquele aparelho de barbear amarelo, que estava velho e que até hoje não consigo usar, foi quem tirando meus raros pelinhos e deixando no lugar uma pele avermelhada e ardida me iniciou nesta vida. Obviamente não passei espuma antes e nem depois creme pós-barba.

E dessa forma fui “zuado” pelo meu pai do mesmo jeito, pois ele me “achou” na saída do banheiro, não sei se com o rosto vermelho de vergonha ou vermelho de inflamado, a verdade é que ardeu…

Então desde os 12 anos, pasmem, eu faço a barba!

Mas é obvio que isso tornou-se um hábito frequente apenas aos 16 ou 17 anos e desde então preciso fazer a barba 3 vezes por semana para não parecer um mendigo! (Muito embora eu pareça um.)

Costumo comparar o ato de fazer a barba com a nossa eterna procura por alguém, porque depois que começamos essa procura nunca mais paramos… assim como fazer a barba.

Se pudesse dar um conselho para cada garoto imberbe que vejo forçando a vista no espelho para ver um bigode onde há apenas um busso, diria: Não comece agora! Nem a fazer a barba e nem a procurar mulher… Você nunca mais parará, então adie.

Pois bem… ai hoje, do alto dos esperados 30 anos, ela me traiu! Quem?!?![quote_right]Faço a barba, pasmem, desde os 12 anos, mais ou menos…[/quote_right]
A melanina, maldita!, que resolveu começar a debandada pela minha preta e orgulhosa barba!
Quem me viu sabe que minha barba é bem serrada! Um preto brilhante enfeita meu rosto, domina meu queixo e bigodes… é linda! Ou era…

As pessoas tem me perguntado se acho que terei cabelos brancos… Costumo responder que ficarei feliz se tiver cabelos, assim no plural, e de qualquer cor!

Minha mulher logo sugeriu arrancar o pelo! Achei a solução drástica (e claro que não quero sentir essa dor!)… resolvi então tomar uma decisão ainda mais drástica…
A barba logo abandonará meu rosto, afinal se uma barba preta já é capaz de me dar em aparência uns 3 anos a mais, imagina uma com pelo branco? Vou tirar.

Mas há algo aqui… Muito embora possa voltar a tirar a barba 3 vezes por semana e nunca mais dar de cara com esse pelo, a verdade é que ele inaugura outra parte da minha vida que será irrevogável: a velhice.

Assim como há uns 18 anos aquela bic amarela e velha inaugurou minha barba…

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

26/08/2020 Sonhos Viciados
O que será que leva dentro? O suor triste do operário?

Uma piñata feita com uma mochila Rappi

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: