Acordei de ressaca numa quarta-feira de cinzas

05/03/2014 Gritos do Nada

Acordei ouvindo os carros e corriam dentro da minha cabeça
Dormi na sarjeta e por ela corre confete que escorre da rua
Por mais que não lembre, essa dor não deixa que eu esqueça
Acordei na rua com a ressaca quarta-feira de cinzas

De bermuda num mundo de calças jeans, guarda-chuvas e blusas fechadas
E fugiu da minha boca o gosto dos beijos e sobrou esse gosto pastoso
Minha cabeça parece explodir a cada passo e já nem sei pra onde andar
A vida segue seu rumo e eu sem rumo sigo o caminho do bloco que perdi

Leio as placas com seus nomes importantes: Teodoro, Calixto e Arcoverde
E espero achar minha sanidade nos confetes que escorrem pela sarjeta
As lojas exibem ainda sua decoração cafona, com serpentina descendo do teto
E na porta delas funcionários bocejam e denunciam sua vontade de sumir

E eu sumi, dentro de um táxi com o destino escrito a mão num papel velho
No meu destino troquei o bonho por cair de boca na cama dura e sem lençol
O som meio surdo da noite me levantou da cama… estou sem vontade de existir
Coço a cabeça ainda cansado e não lembro se comi ou se estou com documentos

A minha cabeça que ainda lateja e estou com o mesmo gosto pastoso na boca
E então eu corro pro banheiro e lá despejo o que ainda carregava da noite passado
Colocando tudo pra fora enfim só deixo em mim as lembranças… e que lembranças!
O “nunca mais” se mistura com o “quero de novo” e já sei onde estarei ano que vem.

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

19/01/2024 Sonhos Viciados

Reza em hospital

Tento lembrar se existia paz quando minha única morada eram as ruas líquidas do ventre da minha mãe. Reza em hospital. Peço a Deus ao menos os grunhidos das crianças lá fora.  Mergulho no meu mais triste silêncio. Os doutores, os relatórios, os sinais perversos dos desastres naturais que nos arrebatem. Eu rezo, quem sabe […]

Leia mais…

24/12/2022 Gritos do Nada

Jogadas ao vento

As paredes não enxergam Mas dizem que tem ouvidos Beliscam azulejos, beijam cotovelos Os loucos fazem o impossível Deita sobre a relva o amor Que se desfaz em orvalho na grama Só entende quem ama! Mas tudo está por dizer Nada NUNCA foi feito E sem feito nada será Cubro o rosto com a capa […]

Leia mais…

22/12/2022 Coletivo

Ruas, pessoas e perdidos

Rua, pessoas e movimentos estreitosOlho pra fora, o mundo já não é o mesmo Prende a respiração, segura o choroOlho pra dentro, vazio e desespero. No chão bitucas de sorrisosNo céu o canto triste das estrelas Tudo é meio, nada é fimOs mesmos erros que não canso de repetir Toda noite eles cantam pra mimAmanhã, […]

Leia mais…

26/08/2020 Sonhos Viciados
O que será que leva dentro? O suor triste do operário?

Uma piñata feita com uma mochila Rappi

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: