Tão originais II

30/08/2013 Gritos do Nada

A revista me diz como devo ser, ou como deveria
E no quartel ensinam moços a se mover igual
A felicidade é uma obrigação, pela qual se morreria
E estranhamente acham que viver mentiras é normal

Na TV passam exemplos que não parecem comigo
De mulheres e homens de plástico e sem sofrimento
Cada imagem um absurdo acompanhado de um sorriso
Corpos perfeitos, mentes vazias e nenhum lamento

Vomitam regras inimagináveis, mas com fina educação
Enquanto a “bunda” do momento diz bobagens na TV
Somos nós ou realmente não se deve ter ambição?
Devemos aceitar o modelo e contar os anos pra morrer?

Cada um é parte de uma coisa maior e desumana
Uma máquina gigante que tritura originalidades
Pois é preciso fazer sempre o que o mestre manda
E vestir-se a cada dia de uma diferente falsidade

A verdade é uma lágrima escorrida no escuro
Por traz das máscaras, do que fingimos ser
Tratamos com inveja e repulsa quem tem orgulho
Quem se levanta, não se nega e é o que quiser

Tem gente que apanha e morre na rua por ser verdadeiro
Porque tem gente idiota que não suporta quem se assume
Pra que tanto patrulhamento, tanto cuidar do rabo alheio
Talvez porque diante da coragem dos outros se tenha ciúme

Para que tanto faça isso, leia isso, vista isso?
Se no final todos nós somos tão iguais…
Mas ao mesmo instante tão perfeitamente originais
Tão eu, tão você, tão nós…

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: