Tem dias que os fardos pesam mais

30/05/2012 Gritos do Nada

Tem dias que os fardos pesam mais
Nesses dias a vida fica mais pesada
E só o bar e sua cachaça me deixam feliz

Tem dia que o capataz pede mais pressa, irrita-se, impaciente
E cada grito, palavrão e ofensa são como lapadas de um chicote
E nesses dias, entre as sacas do porto, penso: Somos mesmo gente?

Burros de carga com as costas cheias de sujeiras, de marcas
Nossas cabeças envergadas pelo peso das sacas e do cansaço
Nos estamos cansados, mas as barrigas de nossos “donos” estão fartas

Mesmo o capataz é só mais um de nós, muito embora finja não perceber
E grita gesticula, distribui tarefas… e um dia ouvi dizer acabou a escravidão…
Deve ser porque no fim do dia soltam as amarras, e nos permitem beber

Tem horas que um velho que bebe no bar nos fala dos nossos direitos
Cospe no chão pra falar do nosso chefe, bragueja, xinga… não entendo.
Ele fala algo como “homo homini lupus”, ninguém entende o sujeito

Outro dia alguém disse que o velho fala “O homem é o lobo do homem”
Fiquei parado uns segundos, até o capataz me xingar, e entendi
Aqui carregando as sacas somos sim gente, embora nos usem
E lá, rindo dos nossos esforços, está o lobo, que nos morde e sorri

Me jogaram outra saca nas costas, talvez amanhã eu não possa aguentar mais
Mas essa semana tem outro jogo… e ninguém pode mudar de assunto.
E o bar está lá, sempre aberto pra afogar minhas dúvidas…

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

26/08/2020 Sonhos Viciados
O que será que leva dentro? O suor triste do operário?

Uma piñata feita com uma mochila Rappi

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: