Ela ainda guarda um porta-retrato.

22/10/2012 Colunas - Sonhos Viciados
Guarujá

Faz um ano.

E ela ainda guarda um porta-retrato.
Do garoto que ela um dia tanto amou.

Um registro do tempo que ele ainda sorria para suas piadas e se apaixonava pelo seu ventre arrebatador.

Para os curiosos ela diz que é seu primo que mora longe.
Para sua consciência são os olhos apaixonados registrados numa moldura 15 por 20 cm, impressão fosca.

Memória física de tempos felizes, amor correspondido, jovialidade em papel.

Ela ainda guarda um porta-retrato.
Do garoto que ela um dia tanto amou.

Não julguem a pobre garota. E os retratos que leva com você? Traindo consciência e amigos.

Faz um ano.

Um cara entre vielas cheias de gente e ônibus lotado. Que se perde em alguns bares e se põe a ver a velocidade dessa gente. E rir da estupidez dessa lógica.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

26/08/2020 Sonhos Viciados
O que será que leva dentro? O suor triste do operário?

Uma piñata feita com uma mochila Rappi

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: