Flutuando num domingo com relógios atrasados.

28/10/2013 Sonhos Viciados

A única companhia que tenho em casa é o barulho do motor da geladeira.
Um mar de copos sujos na pia, uma repetição de copos, todos de café, algum suco ou cerveja.
Hábitos detestáveis para ela, que ficam aflorados em sua ausência.

Sempre que ela vai embora eu fico livre, pra esquecer do banho, beber descontroladamente ou viver na base de café.
Fico de bem com o tempo e sem culpa com o chão carente de vassoura.
A mesa acumula restos de comida e pratos sujos, mais manias que ela odeia.

Estou flutuando num domingo com relógios atrasados.
A companhia da TV é apática e aos domingos ela é claustrofóbica.
Os meus discos mais sujos soam entediantes, os livros não me desligam dos estalos da geladeira.

A noite afunda a cidade ruidosa entregando concretos velhos semi-iluminados.
Escondendo as crianças em seus quartos e mutilando bêbados com bares de portas fechadas.
A noite engole ruas e estradas.

Tenho uma madrugada e nenhuma companhia.
Quando você volta?

Estou livre, fazendo tudo errado. Nunca quis que isso fosse um diário.
Quero voltar a ficar preso. Enjaulado.
Condenado em todos os seus gestos de amor.

Um cara entre vielas cheias de gente e ônibus lotado. Que se perde em alguns bares e se põe a ver a velocidade dessa gente. E rir da estupidez dessa lógica.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

26/08/2020 Sonhos Viciados
O que será que leva dentro? O suor triste do operário?

Uma piñata feita com uma mochila Rappi

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

12/08/2018 Sonhos Viciados

O comício se acaba e só o mar é infinito

Palavras de ordem em um caminho que ninguém passa. O grito das Poesias sonhadas & nunca ditas. O comício se acaba e só o mar é infinito. A fome devasta as crianças de olhos pequenos e pés descalços. Brincamos num mundo inventado onde os pederastas nos vigiam & só o sol castiga. As mentiras postas […]

Leia mais…

12/09/2017 Sonhos Viciados
Me sinto uma versão beta construída por estudantes primários fascinados por orgias que nunca participaram.

Esse é o meu poema mais ultrapassado

07/09/2016 Sonhos Viciados

A herança de todos os miseráveis

Eu carrego comigo: coragem, dinheiro e bala. Já disse um poeta, já disse um deputado. Você escolhe o palco da vida ou a Bancada da bala? […]

Leia mais…

25/07/2016 Sonhos Viciados

Frases de uma palavra só III – Eu sei

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: