Troquei de Óculos

23/10/2013 Gritos do Nada

Troquei de óculos há quase um mês atrás e pra mim é sempre dramática essa hora de trocar, adio o máximo possível!
Sou reticente demais a mudanças e como uso óculos desde os 12 anos me apego demais a eles.

Invejo quem vai lá, experimenta, olha no espelho pede opinião e pronto. Nunca termina ali pra mim, eu num uso o óculos novo assim que sai da ótica, preciso dar “um último passeio” com o óculos velho… uma bobagem eu sei, mas manias são manias.

Outra parte que me deixa triste é o “enterro” dos velhos óculos. Eu costumo deixá-los dentro da caixa dos novos óculos e ele fica lá, perdido dentro de uma gaveta qualquer… esquecido…

Acho isso triste demais, até porque esses companheiros, verdadeiras testemunhas OCULARES da minha história, mereciam destino menos degradante.

Não creio que objetos tenham vida, mas sei que eles têm histórias… esse teve uma ótima:

Estava em uma balada acompanhado do outro colunista do site.
Eu bebi um pouco demais… bom eu sei que pouco e demais são palavras impossíveis na mesma sentença então admito: bebi pra caralho.

Tanto que bodiei de tal forma que, como a tal balada tinha uns sofás, eu simplesmente desmaiei de bêbado num deles!
Lá pelas tantas meu parceiro de noitada se deu conta e foi atrás de mim, empolgadão como ele estava me puxou pra levantar do sofá, o solavanco fez meu mundo rodar mais rápido do que deveria e bom, lá se foram todos os R$ 78,50 de bebida…
Meu “amigo” teve tempo de me empurrar até o banheiro mais perto, porém ao me aproximar da pia meus óculos caíram e eu lancei sobre eles (coitados) todo o liquido bebido.

Não percebi na hora então meu amigo teve que voltar e pegar os óculos pra mim… sim amigos, ele fez tamanho sacrifício! Limpou na blusa, que ademas já estava suja mesmo.
Teve que ficar sem blusa (e a madrugada foi bem fria) pra que eu pudesse levar ela embora pra lavar.

Ao guardar meus óculos lembrei disso e pensei em tudo que vi através daquelas lentes agora riscadas.
A primeira vez que vi minha mulher foi pelas lentes do modelinho italiano, quando a olhei de verdade, reparando em cada mínimo detalhe também foi através dele.
Engraçado que em nosso primeiro beijo ele não estava lá! Era um sábado iluminado e eu estava de lente para poder usar óculos escuros… não creio que ele tenha me perdoado por essa traição.

As primeiras vezes que zuni entre os carros nas avenidas, na minha primeira moto, foi com o velho italianinho sobre meu nariz, e tenho certeza que muitos dos riscos nele foram provocados pela péssima mania de deixar a viseira aberta…

Troquei de óculos e peguei outro modelo italiano, maior, que aperta menos minhas tempuras e pronto pra ser testemunha de mais um monte de coisas… espero que ele tenha a sorte de nunca cair numa pia!

Alguém que se perde facilmente entre cerveja, noites, amores, sexo, shows, músicas, letras, palavras, motos, asfalto, montanhas, amigos e nunca acha que é muito o muito pouco que viveu!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Postagens

26/08/2020 Sonhos Viciados
O que será que leva dentro? O suor triste do operário?

Uma piñata feita com uma mochila Rappi

22/03/2019 Gritos do Nada

Eles dizem pra eu consumir

Eles dizem pra eu consumirLogo eles que me consomem Eles que pagam com granaAquilo que não se recupera Dizem que a grana compra a satisfaçãoDe ter algo feito com o tempo de alguém Eles dizem pra eu consumirLogo eu que queria só viver Mas a grana paga o tempo que perdi?Compro sorrisos de plástico na […]

Leia mais…

03/02/2019 Gritos do Nada

Conversa Tóxica

Não estava ouvindo Não estava sentindo Só estava falando Só estava mentindo Não estava feliz Não, não era uma atriz Não estava querendo Ele estava por um triz […]

Leia mais…

31/01/2019 Gritos do Nada
Quem pediu por certeza Perdeu-se pela estrada

Todo final é feliz! (?)

28/01/2019 Gritos do Nada

BolsoPatriotismo Tosco

[…]

Leia mais…

25/01/2019 Sonhos Viciados

São Paulo habita em mim

Eu sou todo saudade,Entre a São João e avenida liberdade. Eu sou todo um corpo violado,Um bar esquecido no altar suspenso das suas coxas. Eu sou todo pixo,Pura violência nos muros da sua intimidade. Eu sou todo abandono,Adormecido na fileira mais suja do cine Arouche. Eu sou todo saudade, afogado no barril de corote do […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: