03/02/2014 Sonhos Viciados

Piazzas I

Hélio Oiticica beija minha mão esquerda enquanto eu tento esconder opiáceos dos guardas e malandros dessa rua antiga e sem dono. Me escondo nos paralelos invisíveis da tua língua morta sem tradutores e dicionários. […]

Leia mais…

Continue lendo
26/09/2015 Gritos do Nada

Vidraça

Não serei mais vidraça pro seu grito de guerra Nem admitirei ser fraco ou omisso Aqui quem fala é que nunca espera É quem fez de verdade da luta compromisso. Não aceito seu preconceito descabido Sua neura e sua falta de argumento Me deixe então com meu livre arbítrio! Já que não me é possível […]

Leia mais…

Continue lendo
18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

Continue lendo

Crise

11/01/2009 Gritos do Nada

Sem cor, Sem sono
Com dor, Com fome
Sem flor, No abandono
Sem medo, só pavor

Sem carne, só mato
Com arma, me mato
Sem certeza, na merda
Sem eira, sem trégua

Sem crises já não sei mais, me apego nelas
Com descaramento descabido, urgindo e bradando
Ninguém me olha mais nos olhos, nem quero encará-los
Nem estou mais na escola, para poder ignorá-los

A vida, um segundo
A morte, meu mundo
Um grito, um surdo
O amor, um absurdo

A gente, nem sei
Há gente? não vejo
Sem pensar, não vivi
E sem olhar já desejo

Mendigando carinho, mas chorando sozinho
Malevolência de vilão, urgência por um “não”
Clemência fingida, nem morte nem vida
Soluços no escuro, silêncio profundo

Ir ao post original

Spider

08/01/2009 Sonhos Viciados

Estafa.
Estafa de bebedeira mesmo.
a barriga pesando, a mente lenta.
A boca seca e ainda chamando nomes.

Idiotice, muita.
Mas tô chapado e hoje é assim.
como se fosse necessidade.
Sei lá, carência de bêbado.

Escrever.
Queimar.
Uma cama com novos lençois.

Esses são meus sonhos,
banhados de ácido
ou uma merda qualquer.

Bem vindos!

Ir ao post original

Uma Pagina em Branco

05/01/2009 Gritos do Nada

Sem lamentos, ainda estamos sem lamentos…
Não sem sofrer, ou sem divagar sobre o que poderia ter sido
Só não temos, por enquanto, nada pra lamentar…

Podemos sim reclamar, xingar, arrepender-se e porque não, até chorar
Mas lamentar… isso já não podemos… o nosso tempo já esta passando
Agarramos pelo rabo esse rato maldito chamado tempo…
E ele nos sorri acanhado, ele quer escapar, fugir com o vento…

E é pra isso que escrevemos, não pra sermos reconhecidos
Nem pra que um dia sejamos admirados…
Escrevemos porque as palavras são eternas
E com elas ficamos eternos também…

Já diziam os egipicios, morremos sim
Mas enquanto falarem nossos nomes
Seremos eternos… mesmo que por instantes…
E pra isso escrevemos, pra segurar o rabo daquele rato maldito…

Começamos…

Ir ao post original

Recordar é viver

22/08/2009 Coletivo - Colunas

Coletivo Zero Dois

E eles pegam seu dinheiro irmãoOk. Pode chamar de “Aluguel de Deus”Gritam seu cântico com paixãoTe vendem um amor que já é seu… É só mais festa,porém menos pão.Mais controle, uma ilusão milenar Que não vai mudar a cada nascer de dia.E ele desmaia antes da aurora chegarUm tempo de mágoa a tempestade atestaNão sabe […]

Leia mais…

04/09/2011 Resenhas de Bares

Kantinho, com K mesmo

Estou aqui no bar, esperando não sei o que. Ou quem sabe não sei quem. Nem precisa falar, a posição de quem espera realmente não é das melhores. Mas espero, num bar em frente ao metrô vergueiro, em São Paulo e eu sei que é triste, ou falta de habilidade na escrita, mas minhas histórias […]

Leia mais…

04/04/2012 Gritos do Nada

Águas desoladas

Águas desoladas e sem caminho Perdidas entre as lágrimas do meu olho Este sou, perdido sem teu carinho Com o coração fechado de ferrolho! Sou intensa luz que se apaga Calor que se esvai do corpo, da vida Mentira mal-contada, uma adaga Que parte o peito com essa saudade antiga O tempo é contado por […]

Leia mais…

09/06/2014 Coletivo

Nus e Perdidos

Vou sair essa noite Pela rua e de mim mesmo Vou ser outro essa noite Desconhecido sair a esmo Desfaço os nós dos seus dedos Chupo seus lábios em flor Me dobro e te domino o desejo Façamos um de nós sentir dor […]

Leia mais…

23/02/2012 Sonhos Viciados

“Me dê a mão, me abraça…”

Carnaval sem gosto de folia. A gente se anula nos desfiles na TV. Congela na depreciação dos cabelos, nas moças rugas e nos vencimentos. Acabou a cerveja, ela canta o samba o enredo. Aumenta meu desespero, é isso, morremos. No jeito mais sem graça. Sid e Nancy voltariam pra acabar com tudo. Não é má […]

Leia mais…

08/02/2009 Colunas - Gritos do Nada

Anti-Pressa

Todo mundo corre…Todos cheios de coisas pra fazer…Riem, falam, se divertem, mas a vida passa…Inexoravelmente ela passa, e nos leva..Nos leva segundos, minutos, dias, anos… E todos têm medo, e correm, como que pra viver maisComo se a velocidade fosse pressuposto do prazer…Como se a adrenalina fosse o néctar pra tudo que é bom Mas […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: