03/02/2014 Sonhos Viciados

Piazzas I

Hélio Oiticica beija minha mão esquerda enquanto eu tento esconder opiáceos dos guardas e malandros dessa rua antiga e sem dono. Me escondo nos paralelos invisíveis da tua língua morta sem tradutores e dicionários. […]

Leia mais…

Continue lendo
18/08/2016 Zumbido Fugaz

O passado trás presente

O seu nome ecoa na minha mente Como o sino que insiste Em avisar sobre a missa das 18h O seu corpo comprime meus anseios Mas trás a tona os mesmos medos dos 16 anos Quando eu te vejo chegar um carro bate E eu não sei mais dizer se ainda são 14 cores que […]

Leia mais…

Continue lendo
26/09/2015 Gritos do Nada

Vidraça

Não serei mais vidraça pro seu grito de guerra Nem admitirei ser fraco ou omisso Aqui quem fala é que nunca espera É quem fez de verdade da luta compromisso. Não aceito seu preconceito descabido Sua neura e sua falta de argumento Me deixe então com meu livre arbítrio! Já que não me é possível […]

Leia mais…

Continue lendo

Crise

11/01/2009 Gritos do Nada

Sem cor, Sem sono
Com dor, Com fome
Sem flor, No abandono
Sem medo, só pavor

Sem carne, só mato
Com arma, me mato
Sem certeza, na merda
Sem eira, sem trégua

Sem crises já não sei mais, me apego nelas
Com descaramento descabido, urgindo e bradando
Ninguém me olha mais nos olhos, nem quero encará-los
Nem estou mais na escola, para poder ignorá-los

A vida, um segundo
A morte, meu mundo
Um grito, um surdo
O amor, um absurdo

A gente, nem sei
Há gente? não vejo
Sem pensar, não vivi
E sem olhar já desejo

Mendigando carinho, mas chorando sozinho
Malevolência de vilão, urgência por um “não”
Clemência fingida, nem morte nem vida
Soluços no escuro, silêncio profundo

Ir ao post original

Spider

08/01/2009 Sonhos Viciados

Estafa.
Estafa de bebedeira mesmo.
a barriga pesando, a mente lenta.
A boca seca e ainda chamando nomes.

Idiotice, muita.
Mas tô chapado e hoje é assim.
como se fosse necessidade.
Sei lá, carência de bêbado.

Escrever.
Queimar.
Uma cama com novos lençois.

Esses são meus sonhos,
banhados de ácido
ou uma merda qualquer.

Bem vindos!

Ir ao post original

Uma Pagina em Branco

05/01/2009 Gritos do Nada

Sem lamentos, ainda estamos sem lamentos…
Não sem sofrer, ou sem divagar sobre o que poderia ter sido
Só não temos, por enquanto, nada pra lamentar…

Podemos sim reclamar, xingar, arrepender-se e porque não, até chorar
Mas lamentar… isso já não podemos… o nosso tempo já esta passando
Agarramos pelo rabo esse rato maldito chamado tempo…
E ele nos sorri acanhado, ele quer escapar, fugir com o vento…

E é pra isso que escrevemos, não pra sermos reconhecidos
Nem pra que um dia sejamos admirados…
Escrevemos porque as palavras são eternas
E com elas ficamos eternos também…

Já diziam os egipicios, morremos sim
Mas enquanto falarem nossos nomes
Seremos eternos… mesmo que por instantes…
E pra isso escrevemos, pra segurar o rabo daquele rato maldito…

Começamos…

Ir ao post original

Recordar é viver

09/08/2011 Sonhos Viciados

O silêncio dos lobos

Cheguei cedo demais em casa Dei de cara no espelho. Senti o amargo do silêncio. Vi as cinzas do meu último incendio. Dei de cara com a culpa. Face suja, empoeirada. […]

Leia mais…

16/10/2012 Gritos do Nada

Exercício de Escrita IV – Ela já se foi

Procuro no chão marcas do seu andar Limpo com a manga da camisa as lágrimas Faz tempo, eu sei, mas num custa sonhar Ter seu perdão e você de volta… O sapato judiado pisa o chão sujo As fotos amarelam no velho móvel Tem duas mentiras grudadas no meu rosto Uma é meu sorriso… outra […]

Leia mais…

19/12/2011 Gritos do Nada

Sombras Brancas

Sobem e descem pelos telhados Brancas sombras que caminham Perdem-se e esquecem seus pecados Sem arrependimentos pelo que faziam A escuridão eu passo em claro Os pés soltos pela noite Ouvindo e clamando pelo disparo Sozinho esperando pelos açoites Sou eu fruto das sombras? Sou eu o filho dos becos! Não sou sentado em poltronas! […]

Leia mais…

08/08/2012 Gritos do Nada

De mãos dadas….

Ele desceu aquela escada decidido Seu sorriso reluzia mais que a careca Os passos eram meio vacilantes, acanhados Sorria para nós, mas sem reconhecer ninguém Ficou um tempo olhando em volta Todos os sorrisos de volta eram seus Tenho certeza que pensou ser um sonho E era um sonho, mas era real também Foram longos […]

Leia mais…

26/09/2011 Gritos do Nada

Ela, uma saudade inquietante

Sentou sozinho na praça Ele, um homem qualquer Abriu a garrafa, quase vazia No fim do dia, lhe resta o beber O vento castiga o rosto No bolso a foto amassada Nos lábios ainda o gosto De perder e não ter mais nada Segura a esperança e o choro Não convém chorar sem ombros Pende […]

Leia mais…

13/08/2011 Coletivo

Coletivo Um Zero – Seu lábio, seu sangue

O fosco lúdico dos seus olhos Que me enganam e me fazem correr O vermelho saboroso do seu lábio Que só pode me dar vontade de morder! O veneno letal no teu sangue É o gosto que quero sentir Só pode ser feitiço essa burrice que insisto em repetir Nas minhas noites desfaço o medo […]

Leia mais…

Artista



Acervo público Metropolitan Museum of Arts, créditos: